sexta-feira, 29 de Junho de 2007

2ª DIVISÃO SUL "A" - ÚLTIMA JORNADA

Disputa-se hoje a 18ª e ultima jornada da série Sul "A" da 2ª divisão nacional. As equipas ribatejanas defrontam o 2º e 3º classificados, o SC Tomar recebe o GDS Cascais que necessita de vencer e esperar um deslize do S Alenquer B que recebe o último classificado Sta Clara, para obter a subida directa, ao passo que a equipa de Alenquer basta o empate para atingir esse fim. O União desloca-se até a Oeiras para defrontar a formação local, que após a derrota de quarta feira em Cascais, viu definitivamente afastada a hipotese da subida. É assim o concluir de uma época que já vai longa para as equipas ribatejanas, que atingiram os seus objectivos, ou seja a manutenção.

"CLINIC" - SPORTING TOMAR

Foi um sábado diferente para os cerca de 60 atletas que participaram no "Clinic" organizado pela secção juvenil do SC Tomar. O Cartão Azul tentou saber junto dos monitores Filipe Santos e Prof. João Lapo as suas opiniões acerca do evento e para tal colocou 5 questões:
1. Como decorreu o “Clinic” do Sporting de Tomar no passado dia 23 de Junho?
2. Aspectos positivos e negativos?
3. Perante 60 atletas de vários escalões da AP Ribatejo, deu para ter uma ideia do ponto em que se encontra a formação ribatejana?
4. É uma experiência para repetir, nestes moldes, ou pensa que para se tirar maior rendimento da mesma, serão necessários mais dias?
5. Algum conselho que queira deixar aos jovens patinadores que participaram no evento, e a todos os outros que visitam o Cartão Azul?

Filipe Santos
1. Correu muito bem, foi muito agradável e penso que ficaram contentes com o nosso trabalho.
2. Aspectos Positivos: A organização foi excelente e desde já queria dar os parabéns ao SC Tomar e em particular ao Paulo Beirante, pela iniciativa. Gostei também em particular da disciplina e concentração, que os jogadores demonstraram, tendo realmente muito interesse em aprender connosco.
Pontos negativos: Logicamente que o alto nº de participantes, para tão pouco tempo, não foi o ideal mas a equipa OK4U neste momento, não tinha mais tempo disponível.
3. Como em cima foi referido, o tempo disponibilizado para cada grupo foi limitado e assim, é difícil analisar, mas penso que á a salientar, as dificuldades na patinagem e em alguma deficiência na técnica individual mas nada, que não se consiga corrigir, com muito trabalho. Á que salientar que existem alguns jogadores com muito potencial.
4. Seria mais interessante e com maior rendimento, fazer-se em mais tempo mas aí surge o problema de a nossa equipa ter algumas dificuldades de tempo. Teria que ser algo marcado com alguma antecedência.
5. Nada se faz sem muito trabalho e algum sacrifício, portanto se quiserem ser grandes, têm que treinar sempre nos limites mas nunca perder o prazer e o entusiasmo de jogar hóquei, também é preciso divertirmos com o que fazemos.
Prof. João Lapo
1. Na minha opinião o “Clinic “ correu muito bem. Atenção dos atletas foi enorme, extremamente concentrados muito interessados e receptivos a aprendizagem. Senti que estavam a ter prazer em aprender e quando o fedeebek é este acho que foi um sucesso.
2. Aspectos positivos foi os que já referi mas também queira referir o excelente comportamento dos atletas que nem sempre é fácil quando o número é elevado. Da parte da organização foram duma grande simpatia, muito bem organizados e quando assim é dá gosto partilhar experiências, desde já o meu muito obrigado. Aspectos negativos sinceramente não reparei em muitos, só o início do primeiro treino que estivemos á espera de alguns atletas.
3. Aqui vou dar uma opinião muito pessoal e não me levem a mal que é com intenção de melhorar aquilo que vi. Acho que os atletas tem varias lacunas na sua formação enquanto hoquistas, mas o que notei mais é que os atletas tinham poucas bases poucos ensinamentos. Penso que tem margem grande de progressão mas falta-lhes treino mais complexo mais elaborado para poderem evoluir (mas uma vez peço que os técnicos não me levem a mal pois estou a ser o mais sincero possível). Acho que o treino integrado, exercícios com base no jogo lhe ajudava bastante a evoluir e serem mais competitivos.
4. Penso que seja uma experiência a repetir mas para ser mais produtiva teriam que ser mais dias (unidades de treino).
5. Tirem prazer a jogar e a treinar. Pratiquem bastante gestos técnicos (picadinhas, inventem fintas, remates, 1contra1,) pratiquem muito passe *recepção “jogar primeira “, domínio de bola. Tentem arranjar exercícios onde treinem tudo ao mesmo tempo (treino integrado.) esteja sempre atentos ao movimento dos colegas pois podemos aprender com eles. Vão visualizar jogos de seniores querem sempre aprender mais sejam competitivos.
Um grande abraço a todos em especial ao Paulo Beirante.

quinta-feira, 28 de Junho de 2007

GDS CASCAIS VENCE AD OEIRAS

Quando a dupla lisboeta P. Carvalho e J.A. Dias deram inicio á partida em atraso da 17ª jornada da 2ª divisão Sul “A”, toda a gente esperava um jogo extremamente táctico, onde as equipas não tinham margem para errar, sob pena de dizerem definitivamente adeus á hipótese de subida de divisão, puro engano, pelo contrário assistiu-se a um jogo emotivo, bem jogado, e com a incerteza do resultado a perdurar até ao final. O Oeiras entrou melhor e ao intervalo vencia por 2-0, na segunda parte os comandados de Pedro Trindade reduziram para 1-2, mas a equipa de Paulo Garrido voltou a marcar, com 1-3 no resultado ninguém esperava que o Cascais dessa a volta ao resultado, mas com Bruno Adrião (acabado de chegar de Montreux), ao comando da equipa o Cascais conseguiu e venceu por 4-3, afastando definitivamente o Oeiras da subida, de salientar que foram assinaladas 12 grandes penalidades, tendo cada equipa concretizado apenas uma.

quarta-feira, 27 de Junho de 2007

ENTREVISTA DA SEMANA

Formado nas escolas do União, com passagem pelo SC Tomar e actualmente a representar o Santa Cita, Eliseu Raimundo, mais conhecido no mundo do hóquei por “Zig”, acabou por ter uma época conturbada, fruto de uma lesão que o atormentou durante grande parte da mesma, foi com ele que tivemos uma agradável conversa.
CA – Boa tarde Zig, faz-me um balanço desta época.
ZIG – Boa tarde. Esta época, apesar de a equipa de Santa Cita, ter contado com o bom trabalho do Fernando Vaz, penso que não pode ser considerada como uma equipa que teve uma época positiva, nem em termos individuais nem colectivos. Uma vez que, quando uma equipa não consegue atingir os seus objectivos (subida de divisão), nunca poderá considerar que a época foi positiva. No entanto temos também que ser conscientes das limitações que a equipa tinha e das condicionantes a que foi sujeita ao longo da época passada, nomeadamente: castigos, lesões. Não querendo, no entanto, com isto estar a desculpar-me pela época menos boa que tivemos. Há que olhar para os erros cometidos ao longo da época e emendá-los, como também temos que olhar para o de muito bom que a equipa tem, como o espírito de equipa e a combatividade, e renová-lo.
CA – No início da época o objectivo já era a subida, ou o mesmo foi ganhando consistência durante o decorrer do campeonato?
ZIG – Na mente de todo o plantel, esse objectivo esteve sempre presente, logo desde o início. Cientes das nossas limitações e trabalhando jogo após jogo, à medida que o campeonato foi evoluindo e os resultados foram aparecendo, esse objectivo foi parecendo cada vez mais real e atingível.
CA – Acabaram por não subir, mas durante a liguilha acabaram por perder sempre por um golo de diferença, o que faltou ao Santa Cita nesta poule?
ZIG – Penso que o que faltou ao Santa Cita nesta poule, foi alguma consistência defensiva e também o espírito ganhador. Muitos dos jogadores que compõem a equipa não estão habituados a vencer e essa cultura ganhadora, motivadora, nem sempre existiu. Por vezes quando a equipa estava a perder, parecia descrente e os jogadores pareciam não acreditar em si próprios nem na equipa.
CA – Zig como foi trabalhar com o Fernando Vaz como treinador, vocês que jogaram tantas vezes lado a lado?
ZIG – Penso que um dos aspectos positivos que esta época acabou por ter, foi a presença do Fernando Vaz, desta vez como treinador. É uma pessoa que conheço há muitos anos e com a qual sempre me relacionei muito bem. O Fernando é uma pessoa que do ponto de vista humano, está muito acima dos padrões normais, o que por si só, acabou por ser sempre uma mais-valia para o plantel, uma vez que apesar de todas as noções técnico-tácticas que o Fernando tem, o espírito que o Fernando fazia transmitir aos seus jogadores, a sensibilidade com que trata os seus atletas é algo de extraordinário. Penso que no inicio havia um bocadinho a dificuldade em distinguir o Fernando – colega, do Fernando - treinador, mas penso que tanto eu como os meus colegas o conseguiram fazer bem, o que só abonou a favor de todos.
CA – Quais os teus objectivos para a próxima época?
ZIG – Para a próxima época os meus objectivos e certamente os dos meus colegas também, passarão incontornavelmente pela subida de divisão e quem sabe talvez até mesmo o titulo de campeão da 3ª divisão.
CA – No inicio da época o Rafael Oliveira tentou levar-te de volta ao União, ao que consegui apurar o Tomar não facilitou a tua saída, foi realmente assim?
ZIG – Bem, essa foi uma situação um pouco complicada que se passou na minha (humilde) carreira, apesar de não estar arrependido em ter ficado em Santa Cita, houve eventualmente a hipótese de me transferir para o União. Hipótese essa que acabou gorada, pois os dirigentes do S.C. Tomar não me facilitaram a saída. Na altura eu ainda tinha contracto (se assim se pode chamar) com o S.C. Tomar e os dirigentes do clube só me libertavam em situação de empréstimo, caso eu assinasse pelo Santa Cita, de outra maneira, teria que voltar para Tomar…
CA – Para a próxima época o Santa Cita está a reforçar-se e com jogadores de renome, como por exemplo o Marco Bento e o Bruno Aires, vamos ter um Santa Cita para subir, ou começar do ano zero, a preparar uma equipa para quando subir, se manter na 2ª divisão sem sobressaltos?
ZIG – Penso que apesar das contratações já nomeadas, não iremos começar do zero, uma vez que as bases já lá estão, permaneceram de uma época para a outra. Agora há que integrar os novos membros no plantel o mais rapidamente possível, adaptarmo-nos ao estilo de jogo do treinador e tentar fazer com que o nosso trabalho seja rentável, a nível da terceira divisão, e que seja também sustentável, ou seja, que nos permita após a subida de divisão, também a manutenção, na época seguinte.
CA – Todos sabemos que o Rafael Oliveira é um treinador idolatrado por alguns, detestado por outros, o que achas da sua contratação?
ZIG – Penso que a sua contratação só pode ser encarada como uma mais-valia para o clube e para os atletas, porque do pouco que conheço dele e do seu trabalho, parece-me a ser um treinador talhado para obter o máximo rendimento dos seus jogadores e também para liderar uma equipa ao sucesso, o que agradará não só aos jogadores, mas também ao próprio clube.
CA – Se fosse possível escolher dois ou três jogadores a actuar em equipas ribatejanas para juntar ao plantel actual do Santa Cita, quem escolhias?
ZIG – Existem muitos e bons jogadores no distrito de Santarém, muitos dos quais com quem já joguei e que são meus amigos, tenho admiração por muitos deles. Mas parece-me injusto para os meus colegas de equipa estar a nomear quem quer que seja, porque os meus colegas de equipa, trabalham, como os outros e se estamos todos na mesma equipa lutamos todos pelo mesmo objectivo, acho que os que lá estão, estão bem e que neste momento é o que temos e é com eles que trabalhamos.
CA – Zig duas perguntas que muita gente gostaria de fazer: Qual a diferença do União do teu tempo para o União de agora? Vamos voltar a ver o Zig com a camisola do União?
ZIG – Bem, em resposta à primeira pergunta, posso dizer que existe uma diferença abismal, basta olhar para as tabelas classificativas no que diz respeito às camadas jovens. No meu tempo, ou melhor, no tempo do Sr. João Maria, as camadas jovens do União eram campeãs em 2/3/4 escalões, agora não ganham um campeonato há tanto tempo. Quando ia jogar a algum lado, com as cores do União, éramos respeitados por todos e então quando o Sr. João Maria ia na comitiva, mais ainda, a cultura ganhadora era tanta que os jogadores fossem jogar onde e com quem fossem, não temiam o adversário, nem os adeptos, nada. O objectivo era chegar ao local do jogo e impor o nosso hóquei e isso fez com que o União adquirisse um elevado estatuto ao nível das camadas jovens, sendo um clube respeitado por todos. São tantas as diferenças, que é me impossível falar nelas sem alguma tristeza.
Respondendo à segunda pergunta, penso que sim, é um dos meus desejos de sempre, desde que saí do União tenciono voltar, como jogador, porque foi um clube que me deu tudo e que trago sempre no meu coração.
CA – Obrigado pela tua disponibilidade, felicidades para a tua vida desportiva e pessoal, e uma boa época, pelo menos sem lesões, e que atinjas os objectivos propostos.
ZIG – Obrigado, eu! Parabéns, pelo Blog, que tanto contribui para a divulgação do Hóquei em patins na região, boa continuação.

PEDRO SANTIAGO RUMA A BRAGA

Depois de Gonçalo Favinha, é a vez de Pedro Santiago, que a época passada representou o Juventude Ouriense rumar até Braga, para representar o HC Braga (informação disponibilizada no blog Mundo do Hóquei). Com a saída de Pedro Santiago para Braga e Bruno Aires para o Santa Cita, a formação de Ourém conta só com Marco Barros, o que faz com que o Juventude Ouriense volte ao mercado para contratar um guarda-redes. Este revez surge depois de ter sido noticiado no Jornal “Noticias de Ourém” e publicado no Cartão Azul que o plantel já se encontrava fechado, de salientar para terminar que a equipa de Ourém será orientada por Jorge Godinho, que terá o papel de jogador-treinador.

TREINADOR DE BANCADA

Quando no sábado entrei no Pavilhão Jácome Ratton, e vi jovens com um sorriso de “orelha a orelha”, á espera de poderem absorver todos os ensinamentos que eram transmitidos dentro do ringue, e os organizadores, felizes pelo evento que estavam a realizar, pensei para comigo próprio «o hóquei é um desporto lindo». Depois sentei-me na bancada e observar tudo o que podia, num frenesim maior, do que o dos jovens atletas que patinavam alegremente, tentando compilar toda a informação que recebia. No ringue um jovem guarda-redes fã incondicional do Edo, ouvia atentamente o seu ídolo, de certeza que estava ainda a sonhar acordado, se é que conseguiu dormir na noite anterior, os jogadores de campo sob o sábio apito do Professor João Lapo e a supervisão do Filipe Santos, cumpriam rigorosamente os exercícios que eram propostos, tendo como recompensa um sorriso dos monitores, e lá fui eu observando cada passo, cada gesto cada exercício, ciente que ali estava uma iniciativa que merece continuidade.
Mas o fim-de-semana não acaba assim, no domingo mudei de bancada e fui até Ourém, para assistir ao jogo de iniciados que poderia entregar o troféu “Manuel Bento”, e mais uma vez, pensei para comigo próprio «o hóquei é um desporto lindo», pavilhão cheio, cachecóis, tambores, gritos de incentivo e duas equipas que se respeitaram mutuamente, e jogaram o hóquei pelo hóquei, no intuito de dignificar a modalidade, que tinha sido duramente atingida no sábado, lá longe na Suiça, e quando acabou tinham ficado no rescaldo do desafio, um justo vencedor e digno vencido, que pela sua atitude e entrega ao jogo tornou a vitória ainda mais valiosa e que certamente ficará na memória de quem teve o prazer de assistir. Há fins-de-semana destes, só temos que procurar as bancadas certas.

terça-feira, 26 de Junho de 2007

ALL STAR GAME - FEMININO

O “Mundo do Hóquei”, em colaboração com o Hóquei Clube da Mealhada, organizará no próximo dia 1 de Julho o primeiro “All Star Game Feminino”
All Star Game será na Mealhada!
Decorreu, no dia 20 de Junho, à tarde, a apresentação à Comunicação Social do do “All Star Game” feminino. Este evento, organizado pelo “Mundo do Hóquei”, em parceria com o Hóquei Clube da Mealhada, terá lugar no próximo dia 1 de Julho, no Pavilhão Municipal da Mealhada.
Serão 32 (!) as jogadoras que participarão no evento. Divididas em duas equipas de 16 elementos, as hoquistas disputarão um “jogo” de demonstração e divulgação da modalidade, na sua vertente feminina. A partida será dividida em três partes de vinte minutos cada.
Para este evento, foram convocadas não só as jogadoras “seleccionáveis”, ou consagradas, mas também várias hoquistas que, pela sua qualidade, merecem ser premiadas. Talvez por faltar o devido acompanhamento, há muitas atletas com valor que são esquecidas. O objectivo deste evento é lembrar às pessoas que é necessário promover cada vez mais o hóquei em patins feminino.
Uma causa nobre
Além do aspecto desportivo, este evento terá uma nobre causa, pela qual o “Mundo do Hóquei” tentará alertar e cooperar. A Liga Portuguesa Contra o Cancro será a instituição à qual reverterão as verbas apuradas na venda das camisolas, que serão usadas pelas atletas no All Star Game.
Para que esta iniciativa avançar, o “Mundo do Hóquei” contou com várias ajudas e incentivos, nomeadamente do Hóquei Clube da Mealhada, através dos seus dirigentes e da sempre prestável capitã de equipa, Ana Pinho. Outra das atletas com papel muito importante para a realização do evento, foi a incansável e sempre presente Catarina Costa, capitã do Arazede.

Final do Circuito Nacional de iniciadas femininas
Paralelamente a este evento, será disputada a fase final do Circuito Nacional de hóquei em patins feminino (sub-16), um circuito de jogos amigáveis que juntou, numa iniciativa de âmbito nacional, oito equipas de jovens patinadoras. Essas oito equipas vão agora concentrar-se no magnifico Pavilhão da Mealhada, num dia que poderá ficar na história do hóquei em patins feminino português.
A decisão de disputar as finais deste torneio na Mealhada foi unânime, pois este clube, para além de estar sempre disposto a ajudar e a colaborar no que fosse preciso, foi um dos grandes impulsionadores desta ideia. Desta forma, o “Mundo do Hóquei” pretende retribuir o clube pela força que deu para que esta iniciativa fosse avante.
Apesar de se definir as classificações finais do torneio, o principal objectivo da organização é promover a modalidade entre as jogadoras mais novas e, ao mesmo tempo, promover o convívio entre as atletas e os dirigentes dos clubes que aderiram ao projecto.
Cremos que o objectivo de atenuar a falta de competição oficial para as mais novas foi conseguido. Até pelas ultimas noticias, que dão conta do interesse de vários clubes, associações e da própria Federação em promover, a partir da próxima temporada, uma Taça Nacional Feminina de sub-18.
(Mais informações em Mundo do Hóquei)

segunda-feira, 25 de Junho de 2007

TORNEIO REGIONAL "MANUEL BENTO"

Os iniciados do Juventude Ouriense foram os vencedores do Torneio regional "Manuel Bento". Domingo dia de São João, perante um pavilhão cheio de adeptos envergando cachecóis e bandeiras da JO, num jogo em que o empate servia as aspirações da equipa da casa, os jovens patinadores Ourienses, não quiseram correr esse risco, e perante uma equipa bem organizada e com um bom hóquei, cedo tentaram o golo, mas uma boa exibição do guarda-redes dos "Águias" foi adiando a obtenção do mesmo, tendo as equipas chegado ao intervalo empatadas sem golos. Na 2ª parte tudo foi diferente e a equipa da casa cedo chegou ao 2-0 fruto de duas falhas daquele que até ao intervalo tinha sido o melhor elemento em campo, o guarda-redes forasteiro. A vencer por dois golos de diferença a equipa da casa foi controlando o jogo vindo a obter o 3-0, numa bonita jogada, resultado esse com que terminou a partida. Após o apito final efectuado pelo árbitro Teófilo Casimiro, a equipa da JO começou os festejos numa bonita coreografia que juntou adeptos e atletas no famoso grito "Campeões, nós somos Campeões". Para terminar resta salientar que o SC Tomar que necessitava de vencer e esperar por um deslize da equipa Ourém venceu por 14-0 em Arazede, tendo obtido a 2ª posição, a equipa dos "Águias" foi a formação com a melhor defesa, permitindo apenas aos adversários marcar 30 golos nas 22 jornadas deste Torneio, obtendo a 3ª posição.

J. OURIENSE TEM PLANTEL DEFINIDO

Já está definido o grupo de trabalho que irá defender o Juventude Ouriense no seu segundo ano de primeira divisão. Permanecem no plantel os guarda-redes Marco Barros e Pedro Santiago; os defesas Luís Brandão, Hélder Ferreira e Jorge Godinho; os avançados Manel e Luís Peralta.
Cristiano Calado por motivos de saúde, está em dúvida se jogará na próxima época. O jogador está a recuperar bem, mas terá que ser submetido a uma intervenção cirúrgica.
De saída está o Bruno Aires que ruma para o Santa Cita e o Favinha que irá jogar no Hóquei Clube de Braga.
Para completar o grupo a direcção do Juventude Ouriense contratou os jogadores Bruno Pereira e Pedro Nobre do Sporting de Tomar e Ricardo Santos do Sporting Marinhense. A pré época começa a 24 de Agosto.

(in Noticias de Ourém)

domingo, 24 de Junho de 2007

O MUNDIAL DA DESILUÇÃO

NÃO HÁ DESCULPAS
«Esta geração de jogadores não tem falta de experiência, porque vêm todos de camadas jovens onde ganharam títulos. O exemplo tem de vir de cima e aí o espírito da conquista não existe, traduzindo-se depois nestes medos. Ninguém consegue transmitir mentalidades fortes e os jogadores sentem isso. Quando se diz que é com derrotas que se fortalece o espírito de grupo, então nesse capitulo Portugal está fortíssimo» (…)Paulo Batista «faz lembrar aqueles recrutas que são os únicos a marchar mal na parada, mas os pais acham que os outros todos é que vão errados»
(Vítor Hugo – ex seleccionador nacional e último campeão do mundo)
JUSTIFIQUE-SE
«Gostava que o seleccionador justificasse as declarações de tiros nos pés e remar todos para o mesmo lado. Não sei o que quis dizer com isso, pois este ano os clubes sacrificaram o seu calendário de jogos para que a Selecção tivesse tempo para preparar o Mundial»
(Paulo Almeida – Campeão do Mundo 2003)


PELO “MARKETING”
«O resultado dom a Suiça e o trabalho do Mundial não é o que mais me preocupa. O pior é não haver marketing para promover a modalidade e deixá-la ser ultrapassada por outras com menos capital de simpatia nacional»
(Pedro Alves – Campeão do Mundo 2003)
FALTOU AMBIÇÃO
«Fiquei surpreendido com o resultado da Suiça, que acabou por ser justo. Faltou ambição e é incompreensível perder o controlo do jogo após sofrer o 2-1. Temos jogadores para que tal não acontecesse, mas o técnico não pode transmitir o que não tem: mentalidade ganhadora»
(Filipe Santos – Campeão do Mundo 2003)



QUE RENOVAÇÃO?
«Portugal continua a ser uma potência em jogadores, para ganhar qualquer prova. Uma renovação feita de forma natural não é anunciada: acontece e pronto! Já se falava de renovação há 10 anos. Quem dirige tem de estar certo do caminho a seguir»
(Guilherme Silva – Campeão do Mundo 2003)
MUITO A FAZER
«Temos muito que trabalhar. Pelo menos os mais novos e outros com valor que não estiveram aqui, já que não sei se este será o meu ultimo Mundial. Antes de vir já pensava sobre isso e agora vou tomar uma decisão definitiva. Continuo a achar que o futuro está assegurado»
(Sérgio Silva – defesa médio Portugal)
(in Jornal "A Bola")

2ª DIVISÃO SUL "A" - RESULTADOS

Mais uma jornada concluida e as equipas ribatejanas com sortes diferentes, o SC Tomar viajou até á maravilhosa ilha de São Miguel nos Açores e venceu por 6-1 um Santa Clara orfão de José Soares ao serviço da selecção Moçambicana confirmando o 4º lugar na poule, no Entroncamento, mais uma vez a equipa do União teve o pássaro na mão e deixou-o fugir, permitindo ao Maritimo que empatasse 5-5, nos ultimos segundos da partida, com este resultado o União mantém o 9º lugar com os mesmos pontos do 8º, o Boliqueime que foi derrotado por 2-1 em casa pelo Alenquer, num jogo marcado pela falta de energia electrica a 12 minutos do fim da partida, em Sesimbra a equipa local e o Nafarros empataram 3-3, num jogo emotivo.

sábado, 23 de Junho de 2007

2ª DIVISÃO SUL "A" - 17ª JORNADA

Tem lugar hoje a penúltima jornada da série Sul "A", e as equipas do ribatejo defrontam as equipas insulares, o SC Tomar viaja até aos Açores para defrontar o último classificado, Santa Clara, e o União recebe no pavilhão Albano Mateus o Maritimo, de salientar que estas duas equipas jogaram ontem pelas 2100H locais em Ponta Delgada, tendo o Maritimo vencido por 7-3 em jogo de atraso da 13ª jornada. O jogo grande desta 17ª jornada foi adiado para dia 27 e opõe o Cascais ao Oeiras, num jogo que decide a vaga em aberto para a subida ou para o jogo de apuramento com o 2º classificado da série Norte "A". Os restantes jogos desta jornada são, Boliqueime-Alenquer e Sesimbra-Nafarros.

sexta-feira, 22 de Junho de 2007

7º TORNEIO "RODA VIVA"

Com a participação das equipas de Clube Infante Sagres, A.D. Sanjoanense, G.D.R. “Os Lobinhos” e S.F. Gualdim Pais decorreu no passado fim-de-semana no pavilhão Cidade de Tomar o 7º Torneio Roda Viva, para o escalão de juvenis, uma organização da SF Gualdim Pais. As equipas participantes deram a este torneio um nível competitivo muito elevado sendo o equilíbrio dos jogos uma constante ao longo do torneio.Disputado em sistema de mini campeonato, à entrada da última jornada, três equipas tinham possibilidade de vencer o torneio, mas a derrota da Sanjoanense com Os Lobinhos veio transformar o último jogo do torneio numa final entre a Gualdim Pais e o Infante Sagres.Por votação dos treinadores das equipas participantes foram atribuídos os troféus de melhor jogador a Filipe Almeida, da S.F. Gualdim Pais, e o de melhor Guarda-redes a Bernardo Rodrigues do C. Infante Sagres. O troféu de melhor marcador foi para Ivo Silva da S.F. Gualdim Pais.

Amanhã dia 23 de Junho, com início às 10h, realizar-se-á o torneio de juniores com os jogos:

10H00 S.F. GUALDIM PAIS - A.E.F.D. de Torres Vedras
11H30 A.J. SALESIANA – B.I.R.

16H00 Jogo de atribuição de 3º e 4º lugares
17H30 Jogo de atribuição de 1º e 2º lugares
19H00 Entrega de prémios

quinta-feira, 21 de Junho de 2007

ENTREVISTA DA SEMANA

Em semana de final-four de Infantis e Iniciados, viajamos até Loures para fazermos a chamada entrevista dois em um, ou seja falarmos com Paulo Rodrigues, director do Sporting CP, e Diogo Neves jogador da equipa de Infantis. Começamos por falar com Paulo Rodrigues acerca da época que está prestes a findar e dos objectivos para a final-four de Infantis que tem lugar em Famalicão dias 22, 23 e 24 de Junho.
CA – Bom dia Paulo, os juvenis conseguiram a manutenção, os infantis estão na final-four, estão os objectivos alcançados para esta época, ou ficaram aquém do inicialmente previsto?
PR –Essa questão no Sporting nunca se coloca dessa maneira. Como falamos de formação, não nos podemos esquecer de que se trata de jovens e não lhes colocamos nos ombros uma responsabilidade/obrigação de atingirem determinados objectivos. Preferimos torná-los melhores hoquistas, tendo em mira a formação de atletas que possam vir a integrar a futura equipa sénior de Hóquei em Patins do Sporting Clube de Portugal. Esse sim o objectivo primordial da Secção. Agora, se no início tínhamos expectativas? Claro que sim e foram ao encontro do que estava planeado e traçado pela Direcção em conjunto com o nosso Coordenador Técnico, o António Rocha. Pretendíamos que os Juvenis assegurassem a manutenção e conseguiram-no. Estiveram à altura do desafio. Aos os outros escalões foi-lhes pedido que fizessem o melhor. No caso dos Infantis, o melhor que conseguiram até agora foi chegar à Final- Four. É bom para os miúdos e para o Clube também. Desde o re-inicio da formação do HP do Sporting, em 2003/04, que temos estado presentes nas últimas 3 Final- Four. Conquistámos um título de Campeão Nacional o que prova que estamos a trabalhar bem e no bom caminho. Em resumo, significa que quanto a expectativas elas foram todas alcançadas, cumprindo o plano traçado no início da época.
CA – Paço de Arcos 1º da vossa série, FC Oliveira do Hospital campeão nacional e FC Porto, quais as possibilidades de o Sporting voltar a ser campeão nacional de Infantis?
PR –As hipóteses de reconquistar o título são iguais a qualquer um dos outros finalistas. Uma Final- Four é diferente do campeonato. A equipa tem trabalhado bem esta semana com vista à Final- Four. Tudo pode acontecer quando se defrontam as 4 melhores equipas nacionais, mas acredito que o Sporting irá trazer a Taça para Lisboa.
CA – Assegurada a manutenção no nacional de juvenis, mas com a subida dos atletas de maior referência como é o caso do Pedro Santos a juniores, e uma equipa de iniciados que fez um nacional abaixo das expectativas e que para o ano serão juvenis de 1º ano, terá o Sporting “matéria prima” para se manter no nacional de juvenis da próxima época?
PR –Isso não é bem assim. É necessário fazer uma correcção. A equipa de Iniciados era composta maioritariamente por atletas de 1º ano e só tivemos 3 atletas que serão Juvenis na próxima época. Claramente que o apuramento para o Nacional ficou acima das expectativas, e quando vemos que as equipas que se classificaram à frente do Sporting eram todas de 2º ano, o que dificultou em muito a nossa equipa, só podemos estar satisfeitos com o desempenho da equipa de Iniciados. Consideramos que os Iniciados fizeram uma boa época. Lembramos que deixámos para trás equipas tradicionais como PA, H C Sintra e Oeiras.
Quanto à próxima época, há muito que o António Rocha está a prepará-la e o plantel de Juvenis oferece todas as condições para, pelo menos, manter-se no Nacional. Está a trabalhar-se bem tendo em vista a próxima época. Não se preocupem os Sportinguistas: os erros do passado não se repetirão. Sabemos bem o que queremos e para onde queremos ir.
CA – Para terminar, Paulo o Sporting vai continuar a “pescar” no Ribatejo?
PR – O Sporting tem as portas abertas a todos os bons jogadores. Aquele que é um bom atleta tecnicamente, com uma formação pessoal e um carácter que se enquadre nos critérios definidos pelo Clube, e que demonstre vontade e querer representar o Sporting, será bem vindo à Família Leonina. Portanto, não se sabe o dia de amanhã e pode acontecer que ainda venham mais atletas formados em Clubes Ribatejanos. Sabemos quem são e estão referenciados no trabalho de prospecção que os nossos Técnicos e Colaboradores vão fazendo.


Terminada a entrevista com Paulo Rodrigues, é a vez de falarmos com o ribatejano de Almeirim, Diogo Neves, ele que já foi campeão nacional pelo Sporting, quando a final- four foi disputada no Entroncamento.
CA – Diogo como está a correr a época este ano?
DN – A época este ano está a correr dentro da normalidade, pois com alguns percalços pelo meio conseguimos atingir o nosso objectivo principal que era estar na final four pela terceira vez consecutiva.
CA – Esta é mais uma final que vais estar presente, das outras equipas qual achas que vai ser a mais complicada?
DN – Penso que quando se atinge esta fase todas as equipas são complicadas. Cabe a todo o nosso grupo de trabalho encontrar soluções para ultrapassar essas dificuldades.
No entanto, para mim são todas iguais, apesar de respeitar todas as equipas, vou para a final consciente do valor da minha equipa e tudo farei para que seja o Sporting a trazer o título para Lisboa.
CA – Diogo, és o segundo melhor marcador do nacional, vamos ter essa veia goleadora em Famalicão ou pelo facto de marcares muitos golos vais ser alvo de uma marcação especial?
DN – Apesar de ter sido este ano o 2º melhor marcador, não me considero o goleador da equipa, sou mais um médio de ataque, com a responsabilidade de distribuir o jogo e contribuir para que a equipa saia a ganhar. Gosto muito de marcar golos mas não vivo obcecado pela baliza, o importante é mesmo a vitória da nossa equipa, seja eu ou outro colega a marcar. Quanto ao facto de ser alvo de uma marcação especial, é uma situação que quem faz o campeonato de Distrital de Lisboa tem que estar habituado a conviver com isso. Não é uma situação fácil e o grau de dificuldade aumenta ou diminui conforme o jogador que nos faz a marcação. Mas estou preparado para isso e se alguma coisa se complicar tenho plena confiança de que o Sr. Nuno Duarte meu treinador, me dará as indicações de forma a superar essas dificuldades.
CA – Como é viver e estudar em Almeirim e jogar hóquei em Lisboa?
DN – Também não é uma situação fácil e só é possível graças ao grande sacrifício dos meus pais. São 6000 km mensais, são 4 horas de treinos semanais, e por cada dia treino são 2 horas de viagens. Para o ano já vai ser mais fácil, pois o meu irmão volta, na próxima época à nossa família leonina e passa a estar tudo mais concentrado. Quanto aos estudos, tanto eu como o meu irmão somos bons alunos, com algum esforço e apesar de nem sempre ser fácil, temos conseguido conciliar o estudos com o desporto.
CA – Para o ano vamos continuar a ver o Diogo com a camisola do Sporting?
DN – Sim, para o ano vou continuar no Sporting com muito orgulho e prazer redobrado, pois vou ter no meu clube o meu ídolo de todos os dias que é o meu irmão. Mantendo o sonho de um dia jogarmos juntos na equipa sénior do Sporting.
CA – Obrigado Diogo pela entrevista, felicidades para a final-four e para o teu futuro desportivo e académico e um abraço ao Jaime e ao Bernardo.
DN – Um grande abraço a todos os leitores do Cartão Azul, e espero que continuem o bom trabalho na divulgação e promoção do Hóquei em Patins com o vosso blog.

quarta-feira, 20 de Junho de 2007

VASTA REPRESENTAÇÃO

Um conjunto de 16 jogadores e três treinadores “falam” o hóquei em patins português em Montreux.
Fernando Fallé (Angola), Pedro Mendes (Moçambique) e José Carlos Amaral (Inglaterra) lideram as respectivas selecções nacionais. Quanto aos jogadores a lista é bem mais extensa. Angola surge com 4 (André Gomes, Miguel Gomes, Johe e Pedro Neto), Moçambique com igual número (Nuno Adrião, Bruno Adrião, José Soares e Paulo Pereira). O Brasil apresenta, ainda quatro caras bem conhecidas (Didi, Cláudio Filho, Leandro Wada e Alan Karam). Pela Argentina, actuam dois campeões nacionais (Reinaldo Garcia e Emanuel Garcia) e o capitão do Benfica (Mariano Velásquez). De Espanha, vem um jogador que não necessita de apresentações: Pedro Gil, ex-FC Porto.
A lista de jogadores que jogam ou já passaram por Portugal regista ainda outro nome: Briam Stalmann guarda-redes dos Estados Unidos e que representou a equipa do Portosantense, curiosamente treinada por Paulo Batista e Artur Oliveira.

(in Record)

terça-feira, 19 de Junho de 2007

"CLINIC" SC TOMAR - INFORMAÇÃO

Relativamente á situação da vinda do Guarda Redes Edo Bosch, informo que em função da vida pessoal (é proprietário de várias casas de Tapas no Porto) e relembrando que dia 23 é véspera de S.João no Porto, terá que estar na tarde de sábado junto da sua equipa de trabalho dado a azáfama habitual destes dias.
Apesar de ser muito difícil a sua vinda só foi possível dado que o Edo Bosch é uma pessoa que adora ensinar e estar com Jovens, pois na sua vida de jogador sempre conviveu em Clinic’s em Espanha e sabe o quanto é importante este tipo de trabalho.
Mais informo que esta ideia partiu de uma conversa mantida entre mim e o próprio Edo, onde me lançou este desafio pois vem verificando que o trabalho de G.Redes é importantíssimo nos escalões de formação e em Portugal, ainda não se dá a importância necessária ao trabalho de base.
Desta forma, o Edo Bosch será o primeiro a tentar ficar o mais tempo possível mas não podemos ficar alheios da sua vida pessoal. Ficou prometido que este tipo de acção terá a continuidade necessária e será com o Edo Bosch que nós queremos ter como parceiro.
Ao Edo só posso agradecer a vontade e a seriedade que sempre demonstrou desde que começámos a trabalhar este projecto (cerca de 2 meses).
Já agora também não posso deixar de referir a vontade manifestada pelo Filipe Santos, que apesar de bastante solicitado para estes eventos, prontificou-se de imediato a deslocar-se a Tomar.
Este evento pioneiro na nossa região será na certeza um marco na vida de todos aqueles que com eles conviverem e aprenderem, pois são atletas que gostam de partilhar e falar de Hóquei Patins.
Vamos tentar com que este dia fique na memória de todos, pois iremos esforçar-nos ao máximo para que tudo corra bem.

Paulo Beirante

Programa - Horário

1º Grupo – Benjamins / Escolares
17 Jogadores + 4 G.R
2 º Grupo – Infantis
16 Jogadores + 5 G.R
3º Grupo – Iniciados / Juvenis
14 Jogadores + 4 G.R

1º Grupo
1000-1130H - Técnica Individual - Monitores Filipe Santos / JoãoLapo
G. Redes - Monitores Edo Bosch / Nelson Filipe
1100 – 1145H - NUTRIÇÃO - Luís Carrão (Licenciado em Fisioterapia)
1500 Horas Arbitragem - A informar pela Associação

2º Grupo
1000 - 1045H - Arbitragem - A informar pela Associação
1130 – 1300H - Técnica Individual - Monitores Filipe Santos / JoãoLapo
G. Redes - Monitores Edo Bosch / Nelson FilipE
1500 Horas - NUTRIÇÃO - Luís Carrão (Licenciado em Fisioterapia)

3º Grupo
1000 -1045H - NUTRIÇÃO - Luís Carrão (Licenciado em Fisioterapia)
1100 - 1145H - Arbitragem - A informar pela Associação
1430 - 1600H - Técnica Individual - Monitores Filipe Santos / João Lapo

NOTA. Os G. Redes deste Grupo irão trabalhar em conjunto com o 2º Grupo na parte da manhã

segunda-feira, 18 de Junho de 2007

3º TORNEIO "GERAÇÃO SOB RODAS"

Foi perante um Pavilhão Municipal com muitos espectadores, que o União realizou o seu 3º Torneio "GERAÇÃO SOBRE RODAS". A bancada do lado da linha-férrea cheia de pais a vibrar com o desempenho dos seus ídolos, iam dando alento aos atletas que dentro de pista e sempre a observar os pais de soslaio, patinavam, sticavam e tentavam o sal do jogo, o golo, dignificando as camisolas que traziam vestidas. Foi com uma sucessão de gritos, palmas, incentivos e festejos que os espectadores presentearam tão distintos atletas.

O Torneio desenrolou-se sob a forma de um triangular, onde União, Paço de Arcos e Sporting de Tomar proporcionaram momentos de grande alegria e entusiasmo. Para muitos destes atletas esta era a 1ª vez que estavam a competir, e logo num Pavilhão tão grandioso.

Não sendo o mais importante, pois o convívio que se viveu na tarde de domingo, foi sem dúvida o mais importante; apenas uma pequena nota em termos de resultados. O Sporting de Tomar ganhou os 2 jogos, o Paço de Arcos somou 1 vitória e a a equipa do União (com atletas de 4 e 5 anos) a dar excelente réplica ao hóquei já mais maduro dos adversários.
No final do Torneio o Torres Novas triunfou em Veteranos face à equipa Unionista.
Foi uma tarde bonita de hóquei em patins, onde para muitos dos futuros praticantes começa agora um longo percurso hoquista.


TORNEIO 3X3 CLUBE STELLA MARIS

Fomos desta feita até á beira-mar, mais propriamente á bonita cidade de Peniche, ao encontro de João Ginja, um dos organizadores do 3º Torneio 3X3 “Manuel Marques” uma organização do Clube Stella Maris.
CA – Bom dia, em primeiro lugar, obrigado pela disponibilidade, antes de falarmos do torneio, e para os visitantes menos familiarizados com o Clube Stella Maris, quem foi o Sr. Manuel Marques, e o porquê de ser dado o seu nome ao torneio?
JG – Bom dia, o Sr. Marques, que é assim que nós tratamos e é mais conhecido no hoquei patins foi um dos fundadores da secção de Hóquei do Clube Stella Maris. O porquê de ter sido dado o seu nome ao torneio é porque achámos que era uma forma de o homenagiar, e uma forma de agradecimento por tudo o que ele deu ao Hóquei.
CA – Agora em relação ao torneio propriamente dito, como vai ser disputado, quantos escalões, tempo de jogo, equipas femininas e masculinas, mistas?
JG – O torneio vai ser disputado segundo o regulamento em anexo, irá ter 2 escalões com equipas masculinas, femininas e mistas no 1º escalão que vai até aos 15 anos inclusivé, e equipas masculinas e femininas no 2º escalão que é para mais de 15 anos.
CA – Os jogos serão arbitrados por árbitros do CRAHP de Leiria, ou serão outras pessoas a terem essa função?
JG – Sim os jogos serão apitados por árbitros do CRAHP de Leiria tal como já foi no ano passado.
CA – Um torneio que já vai na sua 3ª edição, começa a ser referência na zona e não só, quantas equipas são esperadas neste torneio e de onde?
JG – Para este torneio esperamos conseguir atingir as 20 equipas para o 2º escalão e 8 a 10 equipas para o 1º escalão. De onde são esperadas, nós esperamos que para além de equipas da nossa zona e associação estejam também presentes equipas de outras associações.
CA – Os apoios para a organização do evento vem da Câmara Municipal, patrocinadores ou o clube suporta o investimento, na esperança de tirar dividendos do mesmo?
JG – Não a Câmara não vai apoiar em nada na organização, os custos serão suportados pelo clube na esperança de tirar alguns dividendos no final claro.
CA – Para terminar quantas pessoas estão envolvidas na realização do torneio e há quanto tempo?
JG – Na realização estão envolvidas cerca de 10 a 15 pessoas, desde elementos da direcção a atletas Séniores e mesmo Iniciados que gostam também de apoiar no que for possivel além de também entrarem com as suas respectivas equipas no torneio.
CA – Mais uma vez obrigado, e o Cartão Azul estará sempre disponível para a divulgação da modalidade e de eventos que venham a organizar.
JG – Em meu nome e da restante direcção da Secção de Hóquei deste clube agradeço a vossa disponibilidade para divulgação do torneio que só vem tentar fazer com que a modalidade esteja mais tempo activa. Assim esperamos que o Cartão Azul viva por muitos e muitos anos porque só assim esta modalidade tem quem sériamente olhe por ela e não a deixe morrer como muitos parecem querer que aconteça. Saudações desportivas.

domingo, 17 de Junho de 2007

2ª DIVISÃO - SUL "A" - RESULTADOS

Além do dia triste e chuvoso que se fez sentir ontem na região de Lisboa e um pouco por todo o país, as equipas ribatejanas contribuíram para ser uma tarde em tons de cinzento para o hóquei ribatejano, que averbou mais duas derrotas. O SC Tomar perdeu em Oeiras por 7-5, perante uma equipa que não podia perder pontos, sob pena de hipotecar as hipóteses de subida, em Nafarros o União já no decorrer da 2ª parte vencia por 4-2, mas a equipa da casa correu atrás do prejuízo e venceu por um expressivo 10-5. No outro jogo da jornada o Boliqueime recebeu e venceu o Santa Clara por 3-2, trocando assim de lugar com equipa do Entroncamento, que agora ocupa o penúltimo lugar com 9 pontos, menos um que a equipa Algarvia que ascendeu ao 8º lugar, o SC Tomar mantêm a quarta posição, atrás das equipas candidatas á subida.

sábado, 16 de Junho de 2007

MUNDIAL DE HÓQUEI EM PATINS

No dia em que tem inicio mais um campeonato do Mundo de Hóquei em Patins, que este ano vai ser realizado em Montreux, na Suiça, o Cartão Azul, foi ao encontro de Rafael Oliveira, para lhe colocar três questões acerca do certame que tem pelas 2000 horas (hora portuguesa) o jogo inaugural que opõe a campeã em titulo Espanha ao Brasil.
CA – Bom dia, uma antevisão do Mundial em Montreux?
R.O. – O que antevejo para este mundial, é que os favoritos serão a Espanha, mais táctica, a Argentina, mais criativa e Portugal com um misto destas duas, aguardo com alguma expectativa uma Itália renovada, embora não acredite que possa ser candidata, a Suiça, pode criar problemas pelo factor casa, mas acima de tudo acredito que será o campeonato do Mundo, mais equilibrado de sempre, principalmente a partir do 4º para baixo, mas atenção porque as distancias são cada vez menores para os tradicionais candidatos, estou expectante também em relação a Angola, Moçambique e Brasil, países com quem temos afinidades e laços muito fortes e que eu gostaria de ver fazer uma boa figura ou mesmo uma gracinha, desde que o alvo não fossem os portugueses. Mas acho que tudo rodará à volta de Portugal, Espanha e Argentina.
CA – O que achas que a nossa selecção será capaz de fazer?
R.O. –A nossa selecção pode fazer tudo, inclusive ser campeã do Mundo, porque tem valor para isso, porque já provou que pode ser tão forte e perigosa como a Espanha, que quanto a mim tem tido vantagem porque consegue ser mais fria nos momentos de finalização e consegue uma frieza e uma capacidade de contenção realmente muito importantes, principalmente a partir do momento em que se apanha em vantagem, por isso tenho curiosidade de ver os Espanhóis a jogar com Portugal em inferioridade no marcador, penso que isto poderá fazer a diferença, por outro lado o alinhamento diz-nos que a correr tudo sem surpresas, Portugal vai defrontar a Espanha nas semi-finais e aqui está uma situação que tem de ser bem ponderada, pois se Portugal for 2º no grupo e os adversários (Espanha e Argentina) forem 1ºs nos seus, então aí já Portugal jogaria com a Argentina nas semi-finais, portanto estes são aspectos importantes e que têm de ser decididos em boa consciência, porque muitas vezes sermos orgulhosos cavaleiros andantes em busca de vitórias de pouco significado, não nos ajuda em nada porque depois vamos apanhar outros, que são frios e calculistas e que não se importam de dar um passo a trás para avançar depois solidamente e com isso poderem chegar à frente.
CA – O Paulo Batista fez a melhor escolha, ou na tua opinião poderia ter havido uma mexida ou outra?
R.O. – Paulo Batista é alguém muito competente e muito sério, para além de ser um trabalhador incansável, portanto podem os portugueses estar descansados, porque ele sabe de hóquei o suficiente, para conduzir a nossa selecção e os trabalhos que daí advêm, da melhor forma possível, pois sabe para onde quer ir e como ir e os jogadores sabem disso. Em relação às escolhas, são suas, são escolhas feitas dentro de um modelo com critérios bem definidos e muito claros, são escolhas que se regem não só pela qualidade e pelo momento de forma, mas também com uma orientação que tem como objectivo a renovação, renovação essa que era tão urgente e porque não foi feita a tempo e horas, ainda hoje se paga essa factura (falta de Títulos e acima de tudo trabalho sem futuro) e dessa culpa não estão isentos os anteriores seleccionadores, que por falta de visão, coragem e inteligência aliadas ao facilitismo de “escolhas pacíficas” levaram a uma estagnação completa do nosso hóquei ao nível de selecções. Neste grupo não incluo o José Querido, porque foi ele corajosamente que iniciou essa renovação e acabou por ser a 1ª vitima dessa mesma renovação, que ele soube ver ser urgente. Portanto as escolhas foram as melhores e não vale a pena especular, porque já se sabe que as escolhas dos treinadores, tanto nos clubes como nas selecções, são sempre alvo de opiniões favoráveis e outras desfavoráveis e pior ainda muitas vezes alvo de opiniões próprias de quem só diz mal por dizer e que de útil nada têm, nem para quem as emite.

NACIONAL 2ª DIVISÃO - SUL "A"

Disputam-se hoje os restantes jogos da 16ª jornada, com as equipas ribatejanas a jogaram fora e com jogos bastante dificeis. O SC Tomar viaja até Oeiras para defrontar a equipa local, que vem de uma goleada sobre o Santa Clara e que necessita de vencer para continuar a lutar por um lugar que dê acesso á 1ª divisão, por sua vez o União desloca-se a Nafarros para defrontar uma equipa tranquila na tabela classificativa, e sempre "complicada" quando joga perante o seu publico.

sexta-feira, 15 de Junho de 2007

S ALENQUER B ASSUME A LIDERANÇA

Realizou-se ontem pelas 21H30, o jogo antecipado da 16ª jornada da 2ª divisão série Sul "A", e o S Alenquer B recebeu e venceu o GD Sesimbra por 2-0 assumindo assim a liderança, com mais 2 pontos que o 2º classificado o GDS Cascais que já tinha efectuado o jogo relativo a esta jornada no dia 19 de Maio tendo vencido na Madeira o CS Maritimo por 7-4. Na 3ª posição segue a AD Oeiras com menos 7 pontos que o líder e menos um jogo, de salientar ainda que o Cascais e Oeiras jogam entre si na próxima jornada (17ª) num jogo que poderá ser decisivo para ambas as equipas.

quinta-feira, 14 de Junho de 2007

5 IDEAL - SÉNIORES MASCULINOS

Publicamos hoje o resultado da sondagem "5 Ideal" época 2006/2007, conjuntamente com os votos dos nossos visitantes, apresentamos também a votação de cinco pessoas ligadas ao hóquei ribatejano. Fica agora o desafio aos visitantes do Cartão Azul para perante estes resultados fazerem a escolha da que seria (no caso de existir, como é obvio) a selecção do Ribatejo, e para tal devem escolher dez jogadores entre os que constam no quadro, sendo que o numero 1 e 10 serão os guarda-redes e os restantes jogadores de campo.

quarta-feira, 13 de Junho de 2007

VII TORNEIO RODA VIVA

Mais uma vez de visita á cidade de Tomar, desta vez para falar com João Almeida um dos “pilares” do hóquei patinado da SF Gualdim Pais, que nos próximos fins de semana 16, 17 e 23 de Junho vai levar a efeito os seus torneios de hóquei.
CA – Bom dia, sétima edição do Torneio “Roda Viva”, que expectativas para este ano?
JA – As expectativas para este 7º Roda Viva são as de que o Torneio tenha um bom nível competitivo e decorra num ambiente de saudável competição para que as equipas participantes fiquem com vontade de participar em novo evento em Tomar.
CA – Para as pessoas terem mais ou menos uma ideia, há quanto tempo está a ser preparado este evento, e por quantas pessoas?
JA – Este evento começou a ser preparado em Abril, por uma equipa de 4 pessoas, se bem que nestes últimos dias a equipa se tenha alargado para os preparativos finais.

CA – Dois torneios em dois fins-de-semana consecutivos, ficarão com certeza bastante dispendiosos. Onde se consegue o suporte financeiro para a realização e quais os apoios a nível Câmarário.
JA – A Gualdim Pais é uma associação com grande tradição na organização de eventos desportivos e culturais. Raros são os fins-de-semana em que não há eventos organizados pela Gualdim Pais. Assim tentamos aproveitar ao máximo a prata da casa e conciliar as despesas com os recursos disponíveis, tentando também obter o apoio de algumas empresas. A Câmara Municipal disponibilizou o pavilhão, à semelhança do que faz com as outras instituições do concelho.
CA – Quais os grandes objectivos que a SF Gualdim Pais pretende atingir ao organizar estes torneios?
JA – Para além da competição em si, em que pretendemos ver bons jogos de hóquei, tendo para isso tentado trazer a Tomar equipas de várias zonas do país e que ficaram bem classificadas nos respectivos campeonatos, pretendemos também proporcionar um espaço de convívio aberto aos participantes.
CA – Qual o motivo que leva o torneio de juniores a ser realizado num só dia e de juvenis em dois, quando ambos são disputados por 4 equipas, ou já começa aqui a preparação para o nacional de juvenis da próxima época?
JA – Nós sempre tentámos fazer o “Roda Viva” em dois dias por forma a que todas as equipas jogassem entre si em sistema de campeonato porque consideramos ser a forma mais justa de se fazer estas competições e porque dá mais tempo para as equipas se conhecerem. Todavia os nossos juniores estão, na sua maioria, a estudar na universidade e com a época de exames a decorrer poderiam não ter disponibilidade para estar dois dias envolvidos no torneio, pelo que optámos por fazer os jogos deste escalão num só dia e num sistema de classificação diferente.
CA – Mudando de assunto, agora que falei do nacional de juvenis, para o ano a equipa perde um dos elementos chave o Ivo, que sobe a júnior, tendo a equipa um nacional pela frente é intenção da direcção reforçá-la com algum atleta oriundo de algum clube da região, ou tencionam colmatar a ausência do Ivo, com a prata da casa?
JA – O Ivo é um jogador que, pela sua qualidade, faz falta em qualquer equipa, mas Gualdim Pais sempre se norteou por jogar com os atletas da casa, o que não impede que possam vir jogadores de outros clubes caso queiram jogar na Gualdim Pais. No entanto não temos por hábito ir buscar jogadores aos outros clubes para reforçar esta ou aquela equipa

CA – Agora a pergunta da “praxe”, para quem tem tantos anos na formação, como vê os escalões de formação no Ribatejo?
JA – Pessoalmente, considero que a formação foi muito desvalorizada pelos clubes face à grande preocupação de ganhar competições em todos os escalões. Durante demasiado tempo foi o parente pobre nos clubes. Estas duas vertentes do hóquei, formação e competição, estão interligadas e parece que hoje já se começa a olhar para a formação com outros olhos, vamos ver.
CA – Para terminar felicidades para os torneios, e sei que está na forja uma equipa de seniores para a próxima época, mas isso será um tema para abordarmos mais tarde, obrigado pela disponibilidade e o Cartão Azul estará sempre disponível para a divulgação da modalidade e dos eventos organizados pela SF Gualdim Pais.
JA – Parabéns pela criação deste espaço de diálogo e pelo nível que tem mantido. Obrigado

terça-feira, 12 de Junho de 2007

3º TORNEIO GERAÇÃO SOB RODAS

Foi na cidade dos comboios, que o Cartão Azul, encontrou o professor Carlos Filipe, Cajé como é conhecido para quem anda no mundo do hóquei e no desporto local, e foi com ele que falámos sob a 3ª edição do Torneio “Geração sob rodas”.
CA – Bom dia Cajé, fala-me deste torneio que já vai na sua 3ª edição.
CF – Vamos agora realizar o 3º Geração sobre Rodas, que tem sido um torneio de final de época, que proporciona aos jogadores mais novos a sua 1ª experiência em termos de “ competição”, propriamente dita. É sempre realizado no Pavilhão Desportivo Municipal, e já cá tivemos o Nafarros, Turquel.. o Sp. Tomar nas 3 edições, e este ano iremos ter o Paço Arcos.
CA – O que leva o União a organizar um torneio, que apenas engloba, digamos os extremos dos escalões, Bambis e Veteranos?
CF – É a tal falta de competição que existe para estes escalões ao longo do ano, falo mais em termos de Bambis, pois penso que os Veteranos é mais uma brincadeira engraçada para terminar o Torneio. É que em termos distritais só nós o Sp. Tomar e o HC Santarém têm estes escalões. Posso acrescentar que também pelo 3º ano vamos estar representados no 3º Torneio A “Carrocinha” em Tomar, no dia 24.
CA – Como vão decorrer os jogos de Bambis? Quantas partes, quanto tempo cada, e se será obrigatória a inclusão de todos os atletas pelo menos uma parte?
CF – É um triangular, onde jogam todos contra todos, em 4 partes de 6 minutos. O espírito é esse; jogarem todos os atletas em todos os jogos.
CA – Tendo o clube mais escalões, porquê um torneio nestes moldes?
CF – Essa pergunta deverá ser feita à direcção, mas penso que já respondi anteriormente; este é o único escalão que não tem competição ao longo do ano. Mas por conversas que tenho mantido com a actual direcção existe a ideia de fazer um torneio em grande na próxima época. Em conclusão este torneio serve como uma rampa de lançamento para os futuros hoquistas.
CA – Para quando um torneio em maior escala, como por exemplo um torneio internacional como o realizado em 2003?
CF – Penso que será essa a ideia na próxima época.
CA – Sendo o União um clube que nos habituou a ter os escalões todos, e em todos eles lutar para ser campeão, e assegurar a presença nos nacionais respectivos, há alguns anos a este parte, temos verificado que alguns escalões acabaram, por exemplo iniciados e juniores, e a ultima vez que o clube esteve presente num nacional foi em 2005 em Iniciados, uma equipa por coincidência sob a tua orientação técnica. O que se passa com as camadas jovens do União?
CF – Houve uma estagnação nos últimos anos, é um facto, muito por culpa de más apostas, quer em termos de treinadores, muitas mexidas na coordenação do Hóquei. E isto digo-o doa a quem doer, não andámos todos a puxar para o mesmo lado. Agora penso que começam a estar reunidas as condições para que o clube volte a ter os escalões todos e que comece a ganhar de novo, mas irá ser certamente um processo lento. Mas para o ano já teremos de novo iniciados, bambis, 2 equipas de Benjamins, que têm muita qualidade, ao nível das equipas campeãs pelo União; escolares e Juniores, além dos Seniores. Julgo não haver condições para haver infantis e iniciados.
CA – Agora a pergunta da praxe, como vês os escalões de formação a nível da A.P. Ribatejo?
CF – Vejo equipas a jogarem um hóquei muito evoluído, por exemplo os escolares do Sp. Tomar, uma equipa que poderá dar muito ao distrito no futuro; os infantis do Santa Cita e as camadas mais baixas do HC Santarém também têm muita qualidade. Em termos de União deposito grande esperança nas nossas equipas de Benjamins e Bambis. E antevejo um bom trabalho do Fernando Vaz com a nossa equipa Júnior. Não podemos é voltar a um passado recente.
CA – Cajé obrigado pela disponibilidade, felicidades para o torneio, e se quiseres deixar uma palavra aos nossos visitantes o espaço é teu.
CF – Quero apenas agradecer a todos os participantes do nosso 3º Torneio Geração sobre Rodas. Deixar um abraço especial ao Chico Mogas que me conseguiu trazer cá o Paço de Arcos e felicidades para o Cartão Azul.

CALENDÁRIO
O 3º Torneio "Geração Sobre Rodas" em Bambis será realizado no próximo Domingo (17 de Junho) no Pavilhão Desportivo Municipal e os jogos já estão definidos:

15H00 UNIÃO - SC TOMAR
16H00 SC TOMAR - CD PAÇO DE ARCOS
17H00 UNIÃO - CD PAÇO DE ARCOS
18H00 UNIÃO - CD TORRES NOVAS (Veteranos)

segunda-feira, 11 de Junho de 2007

HÓQUEI COMO NUNCA SE VIU

O Académico de Cambra e o Juventude de Viana realizaram ontem, no Luso, um encontro para testar as novas regras em estudo do hóquei em patins. O jogo terminou com a vitória dos minhotos por 13-6, mas o resultado era irrelevante. No centro das atenções estavam as alterações às regras de jogo que a Comissão Técnica de Trabalho da FPP – da qual faz parte o seleccionador nacional, Paulo Baptista – elaborou e colocou em prática para apreciação dos técnicos presentes, uma vez que serão uniformes aos restantes países praticantes. Muitas mudanças, algumas radicais quanto ao ritmo de jogo, designadamente a introdução do Power Play (superioridade numérica de uma equipa quando um adversário é advertido com o cartão azul e correspondentes dois minutos de suspensão); fim dos cartões amarelos (ao terceiro azul é exibido o vermelho e a equipa perde o direito a usar um elemento durante quatro minutos, ou até sofrer golo); a possibilidade de o técnico poder abdicar do guarda-redes e colocar cinco jogadores de campo em ringue; fim do apito para a marcação de penalty havendo cinco segundos para se converter o castigo máximo mediante uma sinalética gestual; livres directos frontais á baliza e a 7,4 metros da mesma. Uma vasta gama de alterações para quais jogadores e árbitros não estavam preparados, o que acabou por frustrar as intenções da comissão técnica. Uma das propostas mais polémicas (houve debate depois do jogo) esteve relacionada com a responsabilização do treinador por maus comportamentos de qualquer elemento do seu banco.
(in Jornal "A Bola")

CLINIC - SPORTING CLUBE TOMAR

A secção juvenil do Sporting Clube de Tomar, continua de vento em popa na divulgação, projecção e dinamização do hóquei em patins, desta feita vai organizar no dia 23 de Junho uma Clínica de hóquei com figuras consagradas da modalidade, Filipe Santos, Edo Bosch, Nelson Filipe (FC Porto), Prof. João Lapo (seleccionador distrital da AP Porto), Luís Carrão e Paulo Beirante. O Cartão Azul mais uma vez viajou até Tomar ao encontro de Carlos Martins, um dos responsáveis pela organização para nos falar do que se vai passar então no pavilhão Jácome Ratton.
CA – Bom dia Martins, parabéns pelo evento e já agora de onde surgiu a ideia?
CM – Bom dia Gavancho, esta ideia para o evento que vamos desenvolver no dia 23 de Junho próximo, surgiu no meio de uma conversa entre seccionistas da formação , com o objectivo de proporcionar aos atletas um dia diferente, onde a componente Hóquei vai estar presente como não poderia deixar de ser, além de outros assuntos que achamos ser importantes e que muitas vezes são esquecidos, como é o caso da nutrição, arbitragem, assuntos que iremos desenvolver neste “Clinic”.
CA – Sendo só um dia de actividade para os atletas, é esta uma experiência piloto, para em anos futuros, se tornar numa clínica á imagem de outras por esse pais fora, com uma semana de actividades e em regime de internato e semi-internato?
CM – È sem dúvida um projecto piloto, este que iremos realizar. A experiência que daqui advier, será de extrema importância para aquilo que temos em ideia poder por em prática daqui a um ano. Não é a 1.ª vez que aqui no Sporting, abordamos esse tema do Clinic durante uma semana, à imagem de outros que neste momento existem de Norte a Sul do País. Basta ver o trabalho, excelente, diga-se, que o Mogas está a efectuar em Santarém neste capítulo. Existe um projecto em embrião, mas como deves calcular, para por em pé um projecto dessa natureza, é necessário muito apoio, tanto humano como material. Provavelmente, se conseguirmos os apoios que iremos solicitar, tanto a entidades oficiais como particulares, teremos dentro de um ano, aqui no Ribatejo Norte, um Clinic durante o mês de Julho, proporcionando aos jovens atletas de toda esta região a possibilidade de desenvolverem as suas aptidões nos mais variados desportos e actividades lúdicas, que pensamos poder proporcionar-lhes.
CA – Como se consegue trazer até á nossa região atletas de topo com o Filipe Santos e o Edo?
CM – Bem, isso é outra história. O Paulo Beirante, é a chave mestra neste projecto. Sem o apoio dele nos contactos efectuados, dificilmente teríamos aqui estes jogadores do FC Porto. Para além de serem um factor, podemos dizer, decisivo para o sucesso deste Clinic, procuramos trazer pessoas que pudessem passar uma imagem de idoneidade, conhecimentos empíricos, e de uma escola de Hóquei com uma imagem forte, como é o caso do Filipe Santos, enquanto atleta ao mais alto nível no Hóquei patinado Português, e o Edo Bosch de uma escola de guarda redes reconhecida a nível internacional, como é a espanhola neste caso. Para além destes dois elementos, iremos ter no Clinic o segundo guarda redes da equipa do FC Porto, o Nelson Filipe, assim como João Lapo, treinador dos juvenis do FC Porto e Seleccionador Distrital da AP Porto em Iniciados.
CA – Fala-me agora em linhas gerais como vai decorrer a Clínica?
CM – Terá inicio por volta das 10 horas e terminará por volta dos 18 horas. Neste período, os atletas irão ser divididos em três grupos, proporcionando assim uma melhor qualidade no trabalho dos técnicos. Durante a manhã e principio da tarde irão alternadamente fazer trabalho de campo, aulas sobre nutricionismo, palestra com os técnicos intervenientes neste Clinic, assim como terão também a possibilidade de conhecerem um pouco melhor o mundo da arbitragem na primeira pessoa, isto porque iremos ter um elemento do CRAPH que irá dissecar com os atletas as várias nuances que compõem a arbitragem. Na parte final deste Clinic, irá realizar-se um mini Torneio entre todos os intervenientes do evento, terminando o mesmo, por volta das 18 horas. Esperamos que no fim desse dia, os atletas que participarem neste evento, saiam do Clinic com conhecimentos novos, tanto na parte do hóquei, como também com melhor conhecimento no aspecto alimentar, e com uma perspectiva diferente sobre a arbitragem e tudo aquilo que envolve o jogo de hóquei.
CA – Obrigado mais uma vez pela disponibilidade e felicidades para a realização da Clínica e se quiseres deixar alguma palavra mais ao visitantes sobre o evento o espaço é teu.
CM – Nós é que mais uma vez agradecemos a disponibilidade que nos proporcionas para a divulgação deste evento, e aproveitamos para lançar o desafio aos jovens atletas que praticam este desporto, que tem tudo a ganhar e nada a perder em participar neste Clinic, pois é uma oportunidade de confraternizar com atletas do mais alto nível neste desporto, assim como adquirirem conhecimentos noutras áreas que não o hóquei, e que muitas vezes são um pouco esquecidas por os intervenientes directos deste desporto. Como aliciante, iremos sortear entre os presentes uma semana de férias no Clinic do Filipe Santos. Como vês, quem quiser aparecer, tem tudo a ganhar em participar neste evento, que esperamos seja um êxito, e o primeiro de muitos que queremos proporcionar aos miúdos que praticam este desporto.

domingo, 10 de Junho de 2007

AF ARAZEDE VENCE TAÇA DR. JOAQUIM GUERRA

O Arazede foi o vencedor da Taça Dr. Joaquim Guerra, uma organização da Associação de Patinagem de Coimbra, ao derrotar na última jornada em casa o Stella Maris por 6-4. No derby ribatejano os "Tigres" deslocaram-se a Coruche e derrotaram os "Corujas" por 8-4, obtendo assim a 2ª posição com os mesmos pontos dos vencedores, mas com desvantagem no confronto directo, por último o SCL Marrazes recebeu e venceu o CN Rio Maior por 6-2. Ficou assim concluida a 1ª edição deste Torneio, que pretendeu continuar a competição para as equipas que não lograram apuramento para as fases seguintes, e homenagear essa figura impar que foi o Dr. Joaquim Guerra, o médico de Turquel.

sábado, 9 de Junho de 2007

NACIONAL 2ª DIVISÃO - SUL "A"

União obriga Alenquer a suar. Foi um jogo como já não se via há alguns tempos no pavilhão Albano Mateus, apesar de não ser um hino ao hóquei, foi emotivo quanto baste. O União entrou bem e aproveitou a apatia da equipa de Alenquer para chegar ao 3-0, mas na 2ª parte tudo mudou de figura com o Alenquer reduzir logo no inicio, e ainda faltavam 20min e 40seg para o fim do jogo, a partir daí a maior experiência da equipa de Alenquer veio a dar frutos e conseguiu dar a volta ao marcador, terminado a contenda com 4-3 a seu favor. Á equipa do União faltou maturidade e um pouco de sorte, num jogo com um justo vencedor e uma boa arbitragem. Na Madeira o SC Tomar empatou 3-3, num jogo bem disputado, mas já a fazer notar o fim de época que se aproxima, sendo assim o SC Tomar mantem a 4ª posição na série.

JOGOS PARA HOJE

Disputa-se hoje a 15ª jornada da série Sul "A" da 2ª divisão, com o SC Tomar a visitar a pérola do Atlântico, para defrontar o SC Maritímo, e onde uma vitória confirma praticamente o 4º lugar na série. No Entroncamento o União ainda a refazer-se da derrota em Boliqueime, recebe o super motivado Alenquer que vem de uma vitória importantissíma sob o Cascais, e que não pode perder pontos, sob pena de hipotecar as aspirações á subida. Na Taça Dr. Joaquim Guerra disputa-se a última jornada, com tudo ainda em aberto, o líder Arazede recebe o Stella Maris e depende de si próprio, ao passo que o HC "Os Tigres" que vão a Coruche defrontar o GC "Os Corujas", em mais um apetecível derby ribatejano, tem de vencer e esperar que em Arazede a equipa local tropeçe, vai ser uma jornada com os ouvidos em Arazede e Coruche, tudo a partir das 1800 horas.

sexta-feira, 8 de Junho de 2007

TREINADOR DE BANCADA

Hoje aqui sentado na minha bancada e depois da volta matinal pelas páginas do hóquei, nomeadamente Hóquei em Patins, Mundo do Hóquei (blog) e União Micaelense verifiquei que a jornada de ontem da 2ª divisão teve pontos positivos para alguns clubes envolvidos na subida de divisão e um ponto negativo a agressão a um árbitro, mas passo a descrever « A oito segundos do fim da 1ª parte o jogador Canha do Pasteleira, agrediu o arbitro Tiago Madureira do CRAH Porto, estava a decorrer o jogo AA Espinho – Pasteleira a contar para a série Norte “A” da 2ª divisão e a equipa da casa vencia por 2-0.» Uma agressão de um jogador a um árbitro, não sendo caso “virgem” é no entanto pouco visto pelos pavilhões onde se disputa hóquei, no entanto não deixa de ser uma atitude grave, desrespeitadora e anti-desportiva por parte do autor da mesma, mas no entanto fica uma pergunta: Que motivos poderão levar um jogador a agredir um agente desportivo (árbitro, jogador ou dirigente) ou mesmo espectadores? Fica a pergunta neste espaço para que possamos tentar tirar algumas ilações, se é que este tema mesmo sendo base de um estudo por quem de direito, consiga chegar a uma conclusão.

HC BRAGA SOBE Á 1ª DIVISÃO

A quatro jornadas do fim do campeonato o HC Braga, foi a primeira equipa a conseguir a subida ao escalão maior do hóquei português, ao vencer no seu pavilhão e em tons de goleada o Lavra por 10-3, resta agora na serie Norte "A" um lugar em aberto para a liguilha, lugar esse que está a ser disputadíssimo com quatro equipas separadas por 2 pontos, no entanto o Académico de Espinho tem um jogo a menos, em virtude de o jogo de ontem entre o A.Espinho e o Pasteleira não ter chegado ao fim, motivado pela agressão de um jogador do Pasteleira ao árbitro da partida. Na série Sul "A", no jogo grande da jornada o Alenquer venceu, e convenceu o Cascais por 4-1, aproximando-se do líder Cascais, estando só a um ponto mas com um jogo a menos, quanto á luta pelo segundo lugar e consequente acesso á liguilha tudo será decidido entre estas duas equipas e a AD Oeiras que ainda mantem viva a esperança da subida.

quinta-feira, 7 de Junho de 2007

SORTES DIFERENTES

Mais uma jornada, a 14ª da série Sul "A", e as equipas ribatejanas a terem desempenhos diferentes, trocando entre si o protagonismo da última jornada, e sendo assim o SC Tomar apesar de estar empatado 1-1 ao intervalo, levou de vencida a equipa do Nafarros mantendo assim o 4º lugar, por sua vez a equipa do União não conseguiu "vingar" a derrota caseira e voltou a ser derrotada, desta feita por 3-1 no recinto do Boliqueime, que alcançou a sua segunda vitória, por coincidência as duas frente á equipa do Entroncamento que mantém a oitava posição.

TAÇA RIBATEJO (ENCERRAMENTO)

ACR Santa Cita (Infantis) e Juventude Ouriense (Juniores) foram os vencedores da Taça do Ribatejo que esta tarde se disputou no pavilhão Albano Mateus no Entroncamento. Foram jogos completamente distintos, ao passo que a incerteza do resultado pairou até ao fim no jogo de Infantis, no jogo de Juniores a equipa de Ourém cedo provou que era o melhor cinco em pista e foi passeando classe até ao resultado final. Os jogos foram arbitrados pelas seguintes duplas: Ricardo Rocha - Rui Taborda (Infantis) e Délio Nunes - Rui Taborda (Juniores), chega assim ao fim a época para estes dois escalões, de salientar ainda que a Juventude Ouriense será o representante da APR no nacional de Juniores 07/08, fruto da vitória no campeonato regional.