sexta-feira, 31 de Agosto de 2007

HÓQUEI DE PRIMEIRA

Inserido na preparação das equipas da Juventude Ouriense e do Porto Santo Hóquei SAD (em mini estágio na Golegã, como foi noticiado neste espaço), realiza-se amanhã pelas 1800H no Pavilhão Municipal do Entroncamento um jogo de preparação entre as referidas equipas, uma boa oportunidade para todos os amantes da modalidade poderem assistir a um desafio entre duas equipas primodivisionárias, e conhecer as caras novas da equipa de Ourém, este ano orientada por Jorge Godinho e Nuno Domingues, ficando a componente fisica a cargo de Francisco Mendes.

quinta-feira, 30 de Agosto de 2007

ESPAÇO ABERTO

Agora que a época começou, ou está prestes a começar, o espaço aberto desta semana, vai incidir sobre uma tema que muito se ouve falar durante os treinos, jogos e que é de extrema importância para os atletas, estamos a falar de "ALONGAMENTOS"
Os alongamentos são exercícios voltados para o aumento da flexibilidade muscular, que promovem o estiramento das fibras musculares, fazendo com que elas aumentem o seu comprimento.
O principal efeito dos alongamentos é o aumento da flexibilidade, que é a maior amplitude de movimento possível de uma determinada articulação.
Quanto mais alongado um músculo, maior será a movimentação da articulação comandada por aquele músculo e, portanto, maior a sua flexibilidade.
Os alongamentos conseguem esse resultado por aumentarem a temperatura da musculatura e por produzirem pequenas distensões na camada de tecido conjuntivo que revestem os músculos.
E nossos músculos, que são responsáveis pelos nossos movimentos, possuem, entre outras características importantes, a elasticidade, que lhes permite voltar ao tamanho normal depois de alongados.
Entretanto, devido à vida sedentária, posturas inadequadas, stress diário e a não realização de alongamentos, o ser humano pode ter estruturas do corpo comprometidas pelo desalinhamento ou sobrecarga que sofrem. Com os músculos tensos ou encurtados, não haverá amplitude normal de movimentos, nem uma boa circulação sanguínea, além de causar desconfortos e até dores.
Isso mostra a importância de realizarmos alongamentos com frequência, entretanto, mais importante do que realizá-los, é fazê-los de maneira correcta.
Os alongamentos são fáceis, mas quando realizados de forma incorrecta podem, na realidade, fazer mais mal do que bem.
Alongamentos antes e depois da exercitação mantêm a flexibilidade e ajudam na prevenção de lesões comuns.
Objectivos do Alongamento
. Restaurar a amplitude de movimento normal na articulação envolvida e a mobilidade das partes moles adjacentes à esta articulação;
. Prevenir o encurtamento ou tensionamento irreversíveis de grupos musculares.
. Facilitar o relaxamento muscular;
. Aumentar a amplitude de movimento de uma área particular do corpo ou corporal de forma geral antes de iniciar os exercícios de fortalecimento;
. Reduzir o risco de lesões músculo-tendinosas (tendinite).


Fonte: Alongamentos.com

terça-feira, 28 de Agosto de 2007

OC BARCELOS NA APRESENTAÇÃO

O SC Tomar terá como adversário no jogo de apresentação aos sócios o Óquei Clube de Barcelos, segundo noticia publicado hoje no Jornal "Record", o jogo terá lugar no Pavilhão Jacome Ratton, dia 13 de Setembro, não sendo de momento possivel indicar a hora de realização do mesmo. Será uma oportunidade para a massa associativa do clube leonino assistir a uma partida perante um adversário que tem como aspiração a conquista do campeonato nacional da 1ª divisão, e um Sporting de Tomar renovado, após a saida de um dos pilares da equipa Pedro Nobre, e a entrada de Orlando Fernandes, vindo do Marinhense.

JORGE GODINHO - A ENTREVISTA

Jorge Godinho é um veterano do nosso hóquei e que se dispôs prontamente em dar a entrevista. Aqui o jogador aborda o seu futuro na modalidade, a participação de Portugal no Mundial, a sua carreira e deixa umas dicas aos jovens que têm como objectivo serem jogadores de hóquei em patins.
Há uns tempos atrás ainda não se sabia se ias continuar a jogar. Esta época vais assumir as funções de treinador-jogador em simultâneo?
Sim. Este ano vou continuar a jogar em simultâneo. Farei parte duma equipa técnica constituída pelo, também jogador, Nuno Domingues e com o Prof. Francisco Mendes.
Que esperas dessa nova experiência?
É uma experiência que já anteriormente assumi, pese embora ache que não seja a ideal. Estou esperançado que com a ajuda dos meus colegas e da direcção consigamos alcançar os objectivos.
É um sinal de que irás continuar ligado à modalidade depois de pendurares os patins?
Sim, sem duvida. Já levo 10 anos de treinador de camadas jovens em simultâneo com a de jogador e espero que no espaço de 1 a 2 anos assuma a tempo inteiro ser só treinador.
Quais os objectivos da Juventude Ouriense para a próxima época?
O objectivo da Juventude Ouriense é continuar a dignificar a cidade e o clube. Logicamente que a manutenção na 1ªdivisao é a nossa meta. Vai ser muito difícil mas tudo faremos para a alcançar. Seremos uma equipa teimosa, humilde e com vontade de discutir todos os jogos ate ao fim para alcançar o melhor resultado possível.
O F.C.Porto, na tua opinião, continuará a dominar o hóquei português?
Sim, o Porto vai continuar a dominar o hóquei português, tal como o Benfica dominou na década de 90. Este ano, penso que o Porto vai demorar um pouco de tempo a ultrapassar a perda do Pedro Gil e do Reinaldo. Eram jogadores que desequilibravam de um momento para o outro. Naqueles momentos que pareciam perdidos eles apareciam. O Benfica terá este ano mais hipóteses. Mexeu pouco, os jogadores estão mais ambientados ao que o Carlos Dantas quer e como tal prevê-se uma grande luta entre ambos.
Que comentário fazes à participação de Portugal no Mundial de Montreaux?
Como português, obviamente que não gostei da classificação da equipa portuguesa, mas não culpo o Paulo Baptista nem os jogadores por esse insucesso. Considero que o Paulo tinha vindo a fazer um excelente trabalho, reestruturando muita coisa dentro da estrutura técnica da Federação e por isso merece sempre o respeito de todos. Um resultado menos bom, fez com que a classificação fosse a que fosse. À Espanha num campeonato do mundo no Porto também lhe aconteceu igual e continuou o mesmo trabalho. Por isso é que hoje estão como estão, a trabalhar com muita regularidade. Por sua vez, Portugal está a querer ganhar no imediato, o que é mau.
Concordas com as novas regras do hóquei em patins?
Há algumas que considero positivas, outras vão ser muito difíceis de adaptar.
O que mudavas para voltar a colocar o hóquei em patins na ribalta?
Mais acompanhamento da comunicação social, jogos em directo na Tv, diminuição de custos para os clubes e obrigatoriedade de jogos de miúdos antes e no intervalo de jogos.
Quais as melhores recordações da carreira de hoquista?
Foram muitas, boas e más, como tudo na vida. Pela positiva, a nível de selecção, destaco a primeira internacionalização num europeu de juvenis em Andorra, o título de campeão europeu de juniores em Sesimbra e a conquista do torneio de Montreux em seniores. A nível de clubes, as subidas à 1ª Divisão pelo Sporting de Tomar e pelo Juventude Ouriense. No Benfica os 5 campeonatos nacionais, as 4 taças de Portugal e as 3 Supertaças. Pela negativa descida do Sporting de Tomar e a perda do título da Taça dos Campeões Europeus por um golo em Igualada.

Achas que o facto de teres passado pelo Benfica numa altura fragilizada do clube, te tira o mérito que terias se o clube estivesse em grande?
Não me tira mérito nenhum. Antes pelo contrário. Em situações fáceis toda a gente tem mais facilidade em estar lá em cima. Os anos que passei no Benfica, nas circunstâncias que foram, só me fez crescer como atleta e como homem. Tínhamos um conjunto de atletas com um carácter incrível. Foram colegas que jamais esquecerei e que hoje em dia procuro dar como exemplo as atitudes passadas por eles. Não só os colegas, como o treinador Carlos Dantas. Era tudo para nós, treinador, amigo e, para alguns, como um segundo pai. Foram momentos inexplicáveis. Com 7 meses de ordenados em atraso, ganhámos o campeonato, a taça de Portugal e Supertaça. Só faltou a Taça dos Campeões. Arrepiava ter como colegas de equipa pessoas como o Luis Ferreira, o Paulo Almeida, o Vítor Fortunato, o Rui Lopes, o Fernando Almeida, o Zé Carlos, todos. Foi um grande orgulho pertencer aquela família. Não é por acaso que passado este tempo todo, continuamos a encontrarmo-nos várias vezes por ano para jantarmos, recordar velhos tempos, dialogar sobre o hóquei actual e trocar experiências.
Sentes-te feliz com a carreira que construíste, ou há algum objectivo falhado?
Sim, fiquei contente com a minha carreira de jogador. Não sendo um jogador que desequilibrasse muito, considero que fui um jogador útil. Pensei sempre no colectivo e nunca em termos pessoais. Mesmo no Benfica, não sendo um jogador de top, considerava o meu trabalho muito valioso. Fazia tudo o que o Dantas me pedia, conseguia perceber logo o que ele queria de mim. Muitas vezes passava treinos a tentar imitar características do adversário para por a equipa titular atenta. Quando Dantas aparecia com acções novas para mim era excelente. Portanto, se sempre tive respeito por parte dos treinadores era porque realmente merecia e no caso do Carlos Dantas, se tinha uma admiração e um orgulho em ser treinado por ele, também sentia que ele tinha respeito por mim. Em Tomar, penso que também fui um exemplo. Defendi sempre o clube até à exaustão, foi pena ter saído da forma que saí, mas tudo bem.
Qual o clube que mais te marcou?
Todos, mas de uma maneira diferente. O Sporting de Tomar por ser o clube da minha terra, onde iniciei tudo. O Benfica pela grandeza que é representar aquela camisola, deu-me projecção como jogador e deu-me títulos. A Juventude Ouriense, pela simpatia e simplicidade como me receberam. Tive a sorte de no primeiro ano que chego a Ourém subirmos logo à primeira Divisão, coisa impensável no clube.
Que conselhos dás aos jovens que gostam e praticam a modalidade?
Aos jovens digo que para chegarem ao top é preciso fazer muitos sacrifícios. Gostar muito de hóquei em patins, ter sempre desejo de aprender mais, respeitar todos para que sejam respeitados também e nunca desanimar, acreditar sempre que é possível. Eu, por exemplo, durante 6 anos fazia 300 quilómetros diários para treinar, treinar com os melhores.

Cortesia:
Entrevista: Blog "Tenho uma ideia"
Fotos: Site "Juventude Ouriense"

segunda-feira, 27 de Agosto de 2007

TORNEIO SÉNIORES VALADO DE FRADES

SC Tomar e a ACR Santa Cita serão os representantes da APR na próxima edição do torneio de seniores da BIR (Biblioteca de Instrução e Recreio), que terá lugar nos próximos dias 22 e 23 de Setembro no pavilhão gimnodesportivo de Valado de Frades. Além das equipas ribatejanas este quadrangular contará com a presença do primodivisionário S Alenquer B e da equipa organizadora o BIR. Este torneio servirá para Rafael Oliveira, técnico da equipa do Santa Cita poder tomar o pulso á equipa de Valado de Frades, pelo facto de fazer parte da mesma série da 3ª divisão, sendo igualmente um dos candidatos á subida e ser o adversário na 1ª eliminatória da Taça de Portugal, quanto á equipa do Tomar será uma oportunidade para a equipa técnica poder limar arestas a poucos dias da Taça de Portugal, uma vez que vai ter como opositores equipas de escalões diferentes.

XXI TORNEIO DE SÃO MATEUS

A ACR Santa Cita irá participar nos próximos dias 15 e 16 de Setembro no XXI Torneio de São Mateus em Viseu, torneio integrado no programa de festas da feira de São Mateus. Este torneio será disputado sob a forma de triangular e conta com a presença da equipa da casa, HC Viseu e do SCL Marrazes. O torneio este ano que conta só com equipas a militar na 3ª divisão serve desde logo para aferir o estado de preparação dos conjuntos a 2 semanas do primeiro compromisso oficial da época a pré-eliminatória da Taça de Portugal. De salientar ainda que a equipa de Santa Cita também estará representada no escalão de Escolares.

quinta-feira, 23 de Agosto de 2007

ÉPOCA ARRANCA DIA 01 DE SETEMBRO

A equipa do União Futebol Entroncamento, começa os trabalhos da próxima época no dia 01 de Setembro. Em relação há época transacta regista-se as saídas de Marco Bento e David Vieira (ambos para Santa Cita), Guilherme Noronha e do treinador José Ventura (vai treinar os Juniores do SC Tomar). No que respeita a reforços, regista-se a entrada de João Mendes e Káká (gr) (ambos ex-SC Tomar), a equipa será orientada pelo técnico Vicente, que após alguns anos de interregno regressa ao comando técnico de uma equipa de séniores. Juventude Ouriense, SC Tomar e SC Marinhense poderão ser alguns do adversários dos Unionistas nos jogos de pré-temporada. A equipa do Entroncamento começa oficialmente dia 06 de Outubro defrontando fora o CF Estremoz para a 1ª eliminatória da Taça de Portugal – Zona Sul, e fará a estreia oficial na 2ª divisão no dia 20 de Outubro defrontando em Sesimbra a equipa local.

terça-feira, 21 de Agosto de 2007

PORTO SANTO HÓQUEI SAD ESTAGIA NA GOLEGÃ

A equipa de hóquei do Porto Santo vai efectuar um mini estágio no Ribatejo, mais propriamente no Centro de Estágio da Golegã. A equipa que este ano será orientada por Carlos Pires, que na época passada representou o Paço de Arcos como jogador, vai aproveitar a passagem por terras ribatejanas para preparar a época que se avizinha, e que terá o seu jogo de estreia no próximo dia 29 de Setembro no seu pavilhão frente ao ACR Gulpilhares. Durante este mini-estágio a equipa da Ilha Dourada irá disputar dois jogos de preparação, dia 01 de Setembro pelas 1800H no Pavilhão Municipal do Entroncamento, tendo como adversário a Juventude Ouriense, o que constitui uma excelente oportunidade para todos os amantes da modalidade para assistirem a um jogo entre primodivisionários e poderem ver a equipa ribatejana com os seus novos reforços Brian Stalman (gr), Ricardo ambos ex-SC Marinhense e Pedro Nobre e Bruno Pereira ex-SC Tomar. No dia 02 em jogo a realizar no Pavilhão Jacome Ratton em Tomar pelas 1630H a equipa do Porto Santo tem como adversário o recém promovida á 2ª divisão, Juventude Pacense, que este ano será adversário do SC Tomar, sendo assim uma boa oportunidade para a equipa técnica nabantina poder observar um adversário directo.

II TORNEIO ANTÓNIO JACINTO FERREIRA

A ACR Santa Cita vai levar a efeito no próximo dia 08 de Setembro a 2ª Edição do Torneio "António Jacinto Ferreira",- ilustre fundador, sócio nº 1 e presidente da Assembleia Geral, recentemente falecido, e este ano integrado no programa da Festa de Santa Cita.
O Torneio será disputado no sistema de um triangular com a presença das equipas do SC Tomar (2ª div - Zona Norte), S Alenquer B (1ª div) e a equipa da casa, este ano integrada na série C da 3ª div e um dos sérios candidatos á subida.
De recordar ainda que a 1ª edição do Torneio, foi conquistada pela equipa da ACR Santa Cita que venceu na final o SC Marinhense.
O calendário desta 2ª edição será apresentado oportunamente.


domingo, 19 de Agosto de 2007

«O CÉU É O LIMITE»

Após vários anos a representar a equipa do União em todos os escalões etários, e após duas épocas como sénior, a primeira enquanto juvenil e a segunda como júnior de 1º ano, David Vieira, abandona o clube rumo ao Santa Cita. O Cartão Azul foi ter com o atleta para saber os motivos desta transferência.
CA – Bom dia David, em primeiro lugar felicidades para esta nova etapa na tua vida desportiva. Que motivos te levaram a deixar o União, após tantos anos e sendo um clube que inclusive está profundamente enraizado na tua família?
DV – Bom dia. Desde mais gostaria de agradecer pela entrevista. Os meus motivos são apenas pelo interesse de trabalhar com o sr. Rafael Oliveira.
CA – Á primeira vista, qualquer pessoa que esteja pouco ligada á modalidade encara uma saída de um clube a disputar a 2ª divisão onde pontificam Paço de Arcos, Oeiras, Física, HC Sintra entre outros históricos da modalidade para um clube a disputar a 3ª divisão, é um passo atrás. Qual a tua opinião?
DV – Para qualquer pessoa pode ser um passo a trás, para mim não. É apenas uma mudança de estratégia. Em vez de apostar no presente, estou simplesmente a apostar no futuro. Não o encaro como um passo atrás.
CA – Pessoalmente e de fonte fidedigna sei que voltares a trabalhar com o Rafael Oliveira te agrada bastante, o que pensas atingir enquanto hoquista (estou a falar a nível técnico e táctico) continuando o teu processo de evolução/aprendizagem com ele?
DV – Pessoalmente espero tudo o que for possível. Como se costuma dizer o limite está no céu, ate lá é só trabalhar para conseguir obter os meus objectivos.
CA – Quais os teus objectivos para a época que se aproxima?
DV – Primeiro que tudo ajudar o Santa Sita a subir à 2ª divisão, o resto vem posteriormente, mas claro que a ida a selecção não me sai da cabeça.
CA – Vamos voltar a ver o David com a camisola da União?
DV – É sempre uma possibilidade que nunca irei descartar, mas neste momento apenas penso na próxima época que se aproxima.
CA – Em relação aos trabalhos da selecção nacional de juniores, achas que esta mudança poderá ser benéfica, pelo facto de evoluíres mais como jogador trabalhando com o Rafael Oliveira, ou pelo contrário será prejudicial pelo facto da 3ª divisão ser menos visível que uma 2ª divisão onde teoricamente os níveis competitivos são mais elevados?
DV – Trabalhar com o Rafael e sempre bom porque eu sei que ele tem bases para me ajudar a progredir ainda mais. Quanto a estar na 3º divisão eu julgo que possa ser um pouco prejudicial devido a visibilidade, mas acho que um jogador não perde o seu valor por jogar numa 3º divisão.
CA – David para terminar queres deixar alguma mensagem aos adeptos do União e aos adeptos do Santa Cita, e claro aos nossos visitantes?
DV – Apenas um grande abraço e transmitir que o União é o meu clube do coração, mas que o Santa Sita é o clube que vou representar, e esforçar-me ao máximo para cumprir os objectivos impostos.

sábado, 18 de Agosto de 2007

SORTEIO 3ª DIVISÃO - TAÇA PORTUGAL

Realizaram-se ontem os sorteios da 3ª Divisão Nacional e da Taça de Portugal na sede da FPP. Em relação ao campeonato o estreante SFG Pais tem como "padrinho" na sua estreia a AA Coimbra que desceu a época passada, os Corujas e o Rio Maior iniciam o campeonato em casa, ao passo que os Tigres e o Santa Cita deslocam-se a casa dos despromovidos Vilafranquense e Estreito respectivamente. De seguida deixamos a 1ª Jornada da 3ª Divisão e o resultado do sorteio da pré-eliminatória e 1ª eliminatória da Taça de Portugal, informando os nossos visitantes que podem consultar o resultado completo do sorteio no site do União Micaelense

3ª Divisão – Série B (20 OUT – 1800H)
- AA Coimbra - SFG Pais
3ª Divisão – Série C (20 OUT – 1800H)
- GC “Os Corujas” - C Stella Maris
- UD Vilafranquense - HC “Os Tigres”
- CN Rio Maior - HC Lourinhã
- GD Estreito - ACR Santa Cita

Relativamente á Taça de Portugal, o sorteio ditou os seguintes embates para as formações ribatejanas:
Pré-eliminatória (29 SET – 1800H)
Zona Norte
- SFG Pais - Isento
Zona Sul
- HC “Os Tigres” - HC Santiago
- Juv. Azeitonense - GC “Os Corujas”
- CN Rio Maior - Isento
- ACR Santa Cita - Isento

1ª Eliminatória (06 OUT – 1800H)
Zona Norte
- GDC Fânzeres - SC Tomar
- ACR Pessegueiro do Vouga - SFG Pais
Zona Sul
- CF Estremoz - União FE
- ACR Santa Cita - Biblioteca IR
- HC Lourinhã/C Stella Maris - HC “Os Tigres
- CN Rio Maior - AD Oeiras
- Juv. Azeitonense/GC “Os Corujas” - HC Portimão/AA Amadora

quinta-feira, 16 de Agosto de 2007

ENTREVISTA DA SEMANA

Paulo Beirante, iniciou a carreira em Tomar onde envergou durante muitos anos a camisola do Sporting local, chegando a representar a selecção nacional de Juniores fruto das boas exibições que ia fazendo. Já em sénior, e depois de uma passagem pela ACR Santa Cita acredita no projecto idealizado por João Maria Vaz e com mais outros atletas trazem de novo o União Futebol Entroncamento ao convívio dos seniores e ao nacional da 3ª divisão. Depois de ter tirado o peitilho, capacete e arrumado as caneleiras dedica-se a treinador trabalhando no União e mais tarde no Tomar. Agora vai liderar a secção juvenil do Sporting com o intuito de fazer regressar a equipa Nabantina aos bons velhos tempos a nível de formação e começar um trabalho que visa formar a equipa de seniores com jogadores oriundos dos escalões de formação do clube, foi com ele que o Cartão Azul se encontrou para a entrevista da semana.
CA – Bom dia Paulo, fala-me do projecto que tens em mente para a secção juvenil do SC Tomar?
PB – Agradeço desde já o facto de dares a possibilidade de falarmos um pouco da Secção Juvenil do Sp. Tomar. Este projecto tem como principal objectivo preparar as bases para uma Equipa Sénior que se deseja com jogadores formados nas equipas da Região. O Sp. Tomar cujo nome é reconhecido por todos aqueles que estão ligados á modalidade, sempre foi uma referência na Região, sendo agora ultrapassado pela Juv. Oureense que através do Miguel Cunha fez um trabalho notável de ascensão até à 1ª Divisão onde se encontra hoje por mérito próprio. O Sp. Tomar sempre teve historial nas camadas jovens, alcançando títulos nas equipas de competição, estando em fases finais dos Camp. Nacionais e o que se tem verificado nos últimos anos, é que essa presença é ocasional e não assídua, como pretendemos. Neste ponto, há que trabalhar para voltar a ter equipas competitivas e ter pelo menos sempre a equipa de Juniores na fase final do Campeonato, dado que é aqui que se lançam os jogadores para uma equipa de Seniores que garanta uma tranquilidade e permanência na 2ª divisão. Este clube tem que ter a mentalidade de andar sempre na luta pelos primeiros lugares da classificação e para que isso aconteça teremos que fomentar toda a cadeia desde as escolas até aos Juvenis. Eventualmente, poderá sonhar-se com a 1ª Divisão, mas julgo que não existe ainda uma estrutura sólida capaz de ir mais longe.
CA – Qual a janela temporal para que este projecto comece a dar frutos?
PB – A pressa é inimiga da perfeição, e o trabalho que iremos realizar passa por desde já organizar a Secção, dividindo-a em 3 patamares (Iniciação, Pré-Competição e Competição). Esta época, a Secção contratou mais 4 treinadores, tendo actualmente 11 elementos ligados à Equipa Técnica liderada respectivamente pelo Pedro Nobre, Pedro Nunes e Ricardo Cardoso. Irá ser um esforço enorme para mantermos esta estrutura mas foi definido por esta Secção que teríamos de dar mais e melhores condições ás nossas equipas e por isso, efectuámos um acordo para a cedência de algumas horas de treino com a ACR Carvalhos Figueiredo que nos irá permitir treinar em alguns escalões 3 vezes por semana. Julgo, a verificar pelo interesse dos Treinadores e jogadores neste projecto, que dentro de 2 a 3 anos podemos alcançar o nosso objectivo.
CA – A secção juvenil do SC Tomar nos últimos tempos organizou dois eventos com bastante sucesso, refiro-me ao torneio 3x3 e ao “Clinic”. Em relação a esta ultima como se consegue um evento desta dimensão tendo como base sustentadora jogadores do prestígio de um Filipe Santos e do Edo Bosch?
PB – Foram 2 eventos interessantes e com sucesso, como foi dado a conhecer pela Comunicação Social. Foram os primeiros passos desta nova estrutura e que vieram ao encontro das nossas ambições. O Torneio 3x3, teve nos seus mentores (Simões, Carlos Emídio e Tozé) a grande força e dedicação, dado que não foi fácil conseguir conciliar horários, disponibilidade das pessoas e conseguir manter a um nível superior durante um fim de semana um evento onde participam dezenas de jogadores. Foi a 1ª iniciativa na nossa região e posso adiantar que a 2ª edição já está marcada para o 3º fim de semana de Julho com novas atracções.
Quanto ao “Clinic”, julgo que teve o resultado desejado, trazendo até Tomar figuras tão prestigiadas do Desporto Nacional. Foi uma ideia que surgiu, quando em Março estive a observar os treinos do FC Porto durante uma semana (integrado no Curso de Treinadores – nível II) e mantive uma relação de grande amizade com alguns jogadores, entre eles o Filipe Santos, o Reinaldo Ventura, o Edo Bosc e o Nelson Filipe, pois todas as tardes trocávamos impressões sobre a modalidade, até que em certo momento questionei-os na possibilidade de promover um Clinic em Tomar com a presença de vários jogadores da Região. A resposta foi imediata e todos concordaram em vir e posso afirmar que só o Reinaldo não veio porque estava ao serviço da Selecção Nacional. Foi uma experiência maravilhosa para os mais jovens, e também gratificante ver estes jogadores ao lado dos seus ídolos. Para mim, pessoalmente, foi comovente ver a alegria estampada em alguns miúdos.
CA – Pelas informações que tenho tido acesso, e derivado ao sucesso que a “Clinic” teve, está a secção juvenil já a preparar a 2ª edição?
PB – É evidente que não podemos ficar indiferentes ás solicitações que nos foram chegando para que mais iniciativas deste género se fizessem, e posso referir que a 2ª edição é já uma certeza. Desde logo, pela disponibilidade demonstrada pelos Monitores que cá estiveram e depois pela vontade desta Secção em querer dar a possibilidade a todos os jovens da Região de partilhar alguns momentos com os jogadores de referência do Hóquei Nacional. Está em fase bastante adiantado o projecto que temos para a 2ªedição e terá desta vez a colaboração da CM Tomar, que acolheu de braços abertos esta nossa ideia.
CA – E os moldes em que a mesma irá decorrer? Mais dias? Regime de internato, semi-internato? Em que altura do ano, para não coincidir com outras clínicas espalhadas pelo país? Filipe Santos, João Lapo, Edo Bosch e Nelson Filipe outra vez, ou outros jogadores de igual projecção?
PB – Ao dialogar com os Monitores, foram unânimes em afirmar que um só dia é pouco para conseguirem desenvolver o que quer que seja, e foi-me solicitado que para a próxima tivesse a duração de mais alguns dias. Não posso no presente momento, afirmar que serão os mesmos monitores a estarem presentes, como todos sabem a Final Four da próxima época é no último fim-de-semana de Junho e estes jogadores poderão estar envolvidos nessa competição. Dado que no início de Julho, começam os diversos Clinic’s a nível Nacional, teremos que arranjar uma oportunidade de trazer até Tomar jogadores com que os mais jovens se identifiquem, pois caso contrário a frustração poderá ser inimiga do sucesso. Vamos esperar.
CA – Na época 02/03 fostes um dos responsáveis pelo I Torneio Internacional “Cidade do Entroncamento” em Infantis, torneio esse que foi um sucesso e com bastante projecção a nível do órgãos de comunicações social regionais e não só, agora que estás novamente integrado num grupo dinâmico e com ideias e provas dadas como foi os eventos atrás mencionados, para quando um torneio Internacional do SC Tomar?
PB – Foi com bastante orgulho e até com saudade, que fiz parte dessa organização. Com a equipa de Seccionistas que temos no Sp. Tomar, só posso estar tranquilo quanto á capacidade de organização de qualquer evento, e um Torneio Internacional carece de muito trabalho e tempo despendido na sua concretização. Durante o descanso desportivo, esta Secção tem trabalhado afincadamente para que no dia 3 de Setembro (Apresentação), tudo esteja previamente definido quanto a eventos a realizar e objectivos definidos para a época 2007/2008. Um dos grandes eventos que iremos ter, é a realização do I Torneio Internacional com o patrocínio da Mc Donalds. Este torneio em anos anteriores teve sucesso só com equipas nacionais, ás quais queremos esta época trazer algumas equipas estrangeiras. Irá realizar-se nos dias 5, 6 e 7 de Outubro, com a apresentação das nossas equipas e posso referir que já temos a garantia de que a equipa espanhola do Alcobendas (Madrid) virá com a sua equipa de Infantis. Temos também em fase adiantada um contacto com uma equipa francesa para vir até Tomar, mas aqui reside alguma dificuldade pela data em si. Vamos ver. Um facto é que as equipas nacionais (Benfica, Sporting, entre outras) já confirmaram a sua presença.
CA – Na última época em que estiveste á frente de uma equipa, neste caso de infantis foste campeão distrital e disputaste o Nacional (Zona Norte). O que te levou a abandonar o ano seguinte a função de treinador e passares para o trabalho de “bastidores”?
PB – Não foi um “abandono” mas sim uma pausa. Fui confrontado com uma nova realidade na minha vida profissional com outras responsabilidades que me ocupam bastante tempo e dado que um projecto de liderança técnica de uma equipa sénior requer muito trabalho de planeamento, tive a noção de que não poderia servir os melhores interesses do clube e devido a isso, resolvi sair.
O regresso ao clube, agora nas funções de Coordenador, surgiu de uma conversa com os Técnicos da Secção que solicitaram a minha presença para algumas questões que gostariam de ver resolvidas e também pela solicitação de alguns seccionistas, que manifestaram uma vontade própria em querer relançar a Secção Juvenil para outros patamares. Vou tentar ajudar uma equipa de seccionistas trabalhadores e colocar o nome do Sp. Tomar de novo nas competições nacionais.
CA – Enquanto atleta estiveste grande parte da tua carreira no SC Tomar, depois virias a passar pela ACR Santa Cita antes de aceitar o convite do João Maria para formar uma equipa de seniores no União. Como surgiu o convite e o que te levou a aceitá-lo?
PB – É simples. A abordagem das pessoas foi sincera e honesta, afirmando que gostariam de contar comigo para iniciar um projecto que visava a criação dos seniores e consequente subida à 2ª Divisão. Primeiro o João Maria, que iniciou uma conversa nesse sentido e depois, o Luís Filipe Boavida (ex-Presidente do UFE) que através de uma conversa séria e bastante esclarecedora, me confirmou a vontade da direcção em me convidar para este projecto. Não escondo que a minha vida particular mudou nessa altura com a ajuda destas duas pessoas, a quem estou reconhecido e só posso afirmar que foi a melhor decisão que tomei enquanto jogador, pois a amizade e a “família” que fui encontrar foram o melhor prémio que recebi.
CA – Que diferenças vês no União da tua altura enquanto jogador e treinador e o União de alguns meses atrás (Hugo Lagos) e actual (Vítor Frutuoso)?
PB – Seria da minha parte incorrecto estar a fazer comparações. Não tive o privilégio de
conviver no clube com as pessoas que agora comandam os destinos do clube, sendo certo, que os conheço pessoalmente e tenho uma opinião formada sobre elas, mas posso afirmar que o UFE do tempo em que estive a representá-lo nada tem a haver com o de agora. A estrutura era outra, existia uma preocupação em privilegiar os mais novos e a dada altura, inverteu-se esse objectivo. Agora, conhecendo o actual Presidente, espero que retome a politica de antigamente pois sem formação não conseguem manter a estrutura sénior.
CA – Sei que és uma das pessoas que tem o privilégio de privar com o João Maria, como vistes a sua saída do União e na tua opinião o que a mesma causou ao clube em particular e ao hóquei ribatejano em geral?
PB – Respondo com uma questão – Como será o FC Porto sem o Pinto da Costa ?
CA – Acreditas que ainda vamos ver o João Maria com funções no União ou na Associação?
PB – Ninguém duvida da paixão que o João Maria tem ao Hóquei. Posso confidenciar que quando fui convidado para Treinador da Equipa Sénior do Sp. Tomar, a primeira pessoa a quem eu recorri para ouvir a opinião, foi ao João Maria. Tenho uma enorme admiração pela pessoa e pelo seu carácter, e por tudo o que fez pelo hóquei enquanto Coordenador do UFE. A certa altura pela sua capacidade de luta pelos interesses da Secção Juvenil e por não partilhar uma decisão da direcção, decidiu abandonar fisicamente o UFE deixando a modalidade mais pobre, mas nunca o escondeu o seu carinho pelo clube e vai vivendo intensamente o seu UFE mas não acredito que venha a integrar uma direcção quer no clube ou associação. No entanto, nunca recusou ajuda quando questionado sobre assuntos da modalidade ou outros, sendo certo que elementos com a paixão e fervor do João Maria fazem falta ao Hóquei Distrital e Nacional.
CA – Deixando o União para trás e voltando a Tomar, este ano vamos ter pela primeira vez a SFG Pais a participar num Nacional de seniores, sob a batuta do Hélder que será treinador-jogador, como vês esta participação? Será o aproveitar da equipa de juniores, e o primeiro passo no consolidar da colectividade, ou pelo facto de os escalões de formação estarem descontinuados motivará que mais ano menos ano o clube deixe de participar no Nacional de seniores?
PB – Em primeiro lugar, dar os parabéns ao excelente trabalho que o Hélder tem feito desenvolvido pelos clubes onde passou, conquistando alguns títulos nas diversas categorias. Agora encabeçando um projecto em que uma equipa sénior irá nascer com a integração de alguns jogadores que estavam parados e agora podem ter a possibilidade de vir novamente a competir. Será na certeza uma experiência diferente para a Gualdim Pais mas não para o Hélder, e será certamente na experiência dele que a actual Secção se irá situar. Vamos aguardar com alguma expectativa a presença desta equipa na 3ª divisão.
CA – Como são as relações SC Tomar – SFG Pais, visto que sempre houve jogadores descontentes de um lado a ingressarem noutro e vice-versa e depois a regressarem ás origens, e contratações como é o caso este ano do Ivo?
PB – Enquanto for Coordenador da Secção Juvenil do Sp. Tomar, as relações só podem ser as melhores e para reafirmar, informo que convidámos a Gualdim Pais através do seu Coordenador – João Almeida, para estarem presentes no Torneio em Outubro. O Trabalho realizado pelo João Almeida e seus colaboradores tem sido notável na defesa dos seus interesses, havendo a possibilidade de termos jogadores de um lado e do outro. O que aconteceu com a vinda do Ivo para o Sp. Tomar pode acontecer com um nosso jogador a ir para a Gualdim Pais, caso o projecto que se apresente seja do agrado do jogador como penso que foi o que aconteceu neste caso. Já agora, aproveito para realçar que as relações que temos com a ACR Santa Cita são igualmente as melhores e para terminar posso adiantar que está em estudo uma ideia, reforçando esta união e que em breve será dada a conhecer.
CA – Na equipa da Gualdim além do Ivo, outro valor desponta e é já uma certeza no hóquei patinado regional e não só, é claro que estou a falar do Filipe Almeida. O SC Tomar está a acompanhar a evolução do atleta no intuito de um dia poder representar a equipa?
PB – È inegável o valor deste Atleta. Neste momento, na minha opinião, é o jogador mais valioso da nossa Associação, quem não o queria como seu jogador ?. Tendo como exemplo outros nomes como o Jorge Godinho (Benfica) e o Pedro Nobre (Sporting CP) que chegaram a outro nível, o Filipe tem todas as condições de poder singrar na alta competição. O Sp. Tomar está interessado em todos os bons jogadores e naturalmente que o Filipe enquanto tomarense merece uma maior atenção, só que não basta querer tem que haver também um interesse por parte do atleta em representar o clube. Quem sabe, talvez um dia.
CA – Além do Filipe existem outros jogadores, que a secção juvenil do SC Tomar acompanhe com o mesmo intuito?
PB – O meu projecto assenta em conseguir uma base de jogadores da região que consigam gradualmente atingir a equipa sénior já com alguma experiência de Camp. Nacionais. Já esta época e em colaboração com o treinador dos seniores – Nuno Lopes, vamos iniciar esse trabalho com alguns dos nossos jogadores mas não posso esconder que temos em vista alguns dos jogadores que gostaríamos convidar para a próxima época. Como afirmei, quero ter dentro de 2 a 3 anos uma equipa Júnior na fase final do Camp. Nacional.
CA – Para terminar resta-me agradecer a tua disponibilidade e deixar o espaço aberto para qualquer iniciativa/divulgação que o SC Tomar leve a efeito e para deixares alguma mensagem que aches oportuna aos nossos visitantes.
PB – Agradeço a oportunidade que o “Cartão Azul” me deu para informar, ao contrário do que alguns dizem, que estou no Hóquei para o servir e não para usufruir. Esta modalidade é a minha paixão, o meu oxigénio, e os amigos que tenho granjeado ao longo destes anos superam em muito aqueles me insultaram e criticaram. A esses só posso pedir – DIGNIFIQUEM A MODALIDADE, FAZENDO.

quarta-feira, 15 de Agosto de 2007

DAVID VIEIRA É REFORÇO DO SANTA CITA

Segundo informação disponibilizada no site da "ACR Santa Cita", David Vieira chegou a acordo e será jogador do Santa Cita nas próximas épocas, confirmando os rumores que circulavam em redor da sua nova equipa. Termina assim vários anos de ligação ao União, onde se iniciou como escolinha, tendo sido campeão distrital em todos os escalões de formação, disputado vários campeonatos nacionais e representado a selecção distrital por duas vezes, tendo na passada época sido chamado aos trabalhos da selecção nacional de juniores. Segundo informação de fonte próxima do atleta o motivo da saída do atleta do clube do Entroncamento deve-se ao facto de o mesmo querer continuar a trabalhar e a fazer a sua evolução enquanto hoquista sob a “batuta” de Rafael Oliveira. O Cartão Azul deseja ao atleta todas as felicidades e sucessos desportivos nesta nova fase da sua carreira.

terça-feira, 14 de Agosto de 2007

3ª DIVISÃO - ÉPOCA 07/08

Já estão definidas as séries da 3ª divisão para a época 07/08, e as equipas do Ribatejo foram colocadas na série C, com excepção do estreante SFG Pais que fica na série B. O sorteio terá lugar no próximo dia 17 de Agosto pelas 1800H na sede da FPP.

RAFAEL OLIVEIRA NA RADIO VOZ ALENQUER

O Cartão Azul publica em seguida excertos de uma entrevista concedida por Rafael Oliveira á Rádio Voz de Alenquer, em relação ao cargo de Seleccionador Nacional Feminino, que irá ocupar após a realização do Europeu, e que achamos que foram os pontos chave dessa mesma entrevista.

«Não deixou de ser uma surpresa agradável, como é obvio, na medida em que a selecção nacional seja ele em que escalão for é sempre aquilo que qualquer treinador ambiciona em termos de carreira (…) não deixa de ser uma marco a nível de carreira e eu não sou excepção (…)

O convite em si surgiu através do Director Técnico Nacional, o prof. Luís Sénica embora com a aprovação de todo o elenco federativo, na medida em que as pessoas conhecem o meu trabalho, aquilo que eu tenho desenvolvido nos últimos tempos (…) através do relacionamento, através dos cursos de formação, através do conhecimento prévio que as pessoas foram tendo do meu trabalho, e no fundo em função também do meu perfil, das minhas características e da minha maneira de estar no hóquei, penso que foi isso que agradou e fez com que eu fosse convidado para seleccionador nacional feminino (…)

(…) Penso até que a responsabilidade é maior, primeiro porque Portugal em hóquei feminino está em crescendo, de facto fizemos alguma travessia, há equipas muito fortes (…) nomeadamente a Alemanha, a França, as Espanholas as Italianas já não falando das Chilenas e Argentinas a um nível mundial (…)

(…) A selecção feminina é uma selecção que promete, é um trabalho sério que tem vindo a ser feito e eu fico orgulhoso que as pessoas ao nível da FPP e a DTN, acreditar que as minhas características e valia como treinador são cruciais e são importantes para continuar a conduzir os destinos desta selecção (…)

(…) Vou estar a acompanhar na integra o estágio da selecção Portuguesa, este estagio com vista ao campeonato da Europa que se vai disputar em Alcorcon, Madrid, vou acompanhar na integra, diariamente por uma questão de integração assim como vou estar em Espanha no Campeonato da Europa, porque a Federação assim fez questão (…) portanto não vou só acompanhar o estagio, vou acompanhar a competição (…)

(…) Será a partir desse Campeonato da Europa que eu vou assumir na integra e com total responsabilidade então os destinos das selecções nacionais femininas, e digo femininas e tendo como meta o Campeonato do Mundo que se vai disputar no próximo ano no Japão, portanto tudo o que se vai fazer será em função disso (…) Portugal quer para já reconquistar um lugar no pódio, e há uma coisa que as pessoas podem estar certas e eu como futuro seleccionador nacional, acredito e vou trabalhar no sentido, de não irmos só ao pódio, os nossos objectivos e Portugal não merece menos, Portugal por tradição e também por direito próprio, pela qualidade das suas jogadoras e da qualidade do trabalho está a ser feito, vamos concerteza trabalhar não só para conquistar o pódio, mas para sermos campeões da Europa e no Japão sermos campeões do mundo (…)»

segunda-feira, 13 de Agosto de 2007

ESPAÇO ABERTO

Todas as épocas, jovens atletas abandonam a modalidade, motivados por algo ou por objectivos que pensam não serem possíveis atingir enquanto praticantes da mesma. Durante os anos em que fui seccionista constatei esse facto tanto no clube onde me encontrava, como nos clubes da região, o que em certas situações me causava um misto de surpresa e tristeza, pois o atleta em causa tinha grande potencial e com o devido acompanhamento técnico vingaria não só a nível distrital como teria a porta aberta para “voos” mais altos. Este abandono fica a dever-se a vários factores de entre os quais destaco:
- Começar a praticar outra modalidade com maior visibilidade (futebol p.ex)
- Não fazer parte dos chamados titulares
- Pressão por parte dos pais em virtude do ponto anterior
- Treinador
- Não evolução na modalidade em relação aos restantes elementos da equipa
É claro que isto são apenas algumas de inúmeras razões que levam o atleta a abandonar a modalidade, e que se reflecte na prática da mesma, com cada vez menos clubes na Associação (formação apenas oito, quando há uns anos atrás o distrital de Iniciados tinha 12 equipas), menos atletas, e por conseguinte menos competitividade, menos espectadores, etc.
Gostaria que os visitantes dissessem de sua justiça, enumerando os motivos que acham que levam os atletas a deixar o hóquei e quais as medidas que deveriam ser tomadas a nível da Associação para revitalizar a modalidade.

sábado, 11 de Agosto de 2007

SC TOMAR - SECÇÃO JUVENIL

Embora em periodo de férias, a Secção de hoquei juvenil do Sporting de Tomar, tem reunido regularmente.
Tendo em vista a próxima época, tem sido grande a preocupação para a implementação de um novo quadro organizativo, agora pela chefia de Paulo Beirante, que assumio este lugar no final da época de 2006/07.
A reorganização da secção juvenil, é algo que se vinha a manifestar imprescindível, não só tendo em conta que é o sector mais activo do Clube bem como aquele que comporta maior número de atletas e dirigentes.
Agora divididos em três grupos, Formação, Pré-Competição e Competição, mais uma vez o clube de Tomar vai competir em todos os escalões do hoquei patinado da Associação de Patinagem do Ribatejo.

No grupo de Formação, de notar a constituição de uma equipa de Bambis logo no inicio da època, a qual provavelmente não irá competir oficialmente pelo facto de não haver congéneres em número suficiente na região para que se possa organizar um torneio regional.
Em Benjamins, a novidade é a criação de uma segunda equipa, chamada Benjamins B, a qual será inscrita, disputando assim o Sporting de Tomar as provas da APR naquele escalão com duas equipas.
A reunião Geral com pais e atletas está marcada para as 21 horas do dia 3 de Setembro no auditório da Biblioteca Municipal de Tomar.


Fonte: Site "Hóquei em Tomar"

sexta-feira, 10 de Agosto de 2007

2as CLINICAS DE VERÃO HC SANTARÉM

Mais uma vez na capital do distrito, para falar com Francisco Mogas, agora sobre as 2as Clínicas de Verão que tiveram lugar no passado mês de Julho.
CA – Boa Tarde Francisco, faz-me um balanço de mais este evento organizado pelo HC Santarém?
FM – Mais um sucesso do HCS. Com um total de 36 patinadores não poderia ter corrido melhor.
CA – Como foi trabalhar com tantos jovens, de regiões diferentes, e com métodos de treino diferentes?
FM – É sempre um grande desafio quer para mim quer para o Lúcio. Esta edição teve uma novidade que foi a presença de seis patinadoras o que foi uma experiência enriquecedora pois a atitude das jovens patinadoras é bem diferente da dos rapazes. Elas mais responsáveis, ávidas por aprender o que tornou esta edição um enorme desafio que julgo termos ganho.
CA – O que achas que os jovens atletas levaram de mais relevante desta passagem pelas clínicas?
FM – Para além de aprenderem algo de diferente, pois ao nível de treino fizeram coisas que nunca tinham feito, julgo que o convívio entre todos é sem dúvida o que os marca mais. São cinco dias intensos que dificilmente esquecerão. No final, foi feito um inquérito ao qual responderam por unanimidade que voltariam para a próxima edição. Praticamente os atletas fora de Santarém que participaram na primeira edição, repetiram a experiência o que revela que saíram plenamente satisfeitos da 1ª participação.


CA – Para o ano teremos a terceira edição das Clínicas de Verão?
FM – Sem dúvida. Talvez com a inclusão de outras actividades dado que este ano tivemos uma novidade que foi o tiro de pistola e espingarda de pressão e também tiro com o arco. No entanto, o objectivo das Clínicas em Santarém é a aquisição de mais valências no Hóquei em Patins. As restantes actividades serão sempre com um intuito lúdico.
CA – Obrigado pela disponibilidade e o espaço fica em aberto para mais algo que queiras dizer aos visitantes do Cartão Azul
FM – Parabéns ao Cartão Azul pela imparcialidade, pelo respeito e carinho que tem pelo HÓQUEI EM PATINS.

Foto: HC Santarém

quinta-feira, 9 de Agosto de 2007

MANUEL VITORINO CONTINUA

Por vontade expressa pelas atletas da equipa feminina do Sporting de Tomar, em reunião da passada semana, Manuel Vitorino foi convidado para continuar a chefiar a equipa na próxima época de 2007/08.
Após ser informado das resoluções tomadas nessa reunião, o técnico aceitou continuar à frente da equipa Tomarense, continuando dessa forma o trabalho já iniciado na época anterior e que foi o garante para que a equipa feminina continuasse a existir.
Os trabalhos iniciam-se no dia 12 de Setembro com a reunião geral do sector, para a calendarização de objectivos para a época.


Fonte: Site "Hoquei em Tomar"

CANDIDATO ÚNICO

Finalmente o Hóquei Académico de Cambra, vencedor da Taça de Portugal em hóquei em patins, encontrou um presidente para formar Direcção, evitando assim que o clube da 1ª Divisão Nacional acabe. Amanhã ás 2100 horas, realiza-se na Biblioteca Municipal uma Assembleia Geral para eleger o novo elenco directivo encabeçado por António Moreira, que concorre pela lista única às respectivas eleições.

Fonte: Jornal "A Bola" 09-08-07

UNIÃO MICAELENSE TEM NOVO TREINADOR

Manuel João Teixeira será o treinador da equipa açoreana neste regresso aos nacionais. Manuel Teixeira que na passada época garantiu a permanência da equipa da equipa do Santa Clara na 2ª divisão, regressa agora a uma casa que bem conhece para tentar a manutenção e espreitar a subida da equipa do União Micaelense. Transcrevemos agora a noticia publicada no site do clube "União Micalense".
«Manuel João Teixeira é o novo treinador da nossa equipa Sénior de Hóquei em Patins. Teixeira regressa assim a uma casa que bem conhece, agora com um plantel com capacidades mas com pouca rodagem nacional...

Nos últimos seis anos o Hóquei em Patins do União Micaelense participou somente durante 2 épocas em provas nacionais. Apesar deste handicap e após um período de reflexão, João Teixeira decidiu mesmo aceitar abraçar o nosso projecto e assim ganha o União Micaelense um técnico conceituado, conhecedor, conciliador e com experiência recente de 2ª Divisão, para além do seu vasto conhecimento anterior na 3ª Divisão, inclusivamente muitas épocas como treinador principal do... União Micaelense.

Esta é uma ligação que o União Micaelense persegue já há alguns anos e pretende seja duradoura para permitir que o actual técnico tire benefícios não só dos jogadores mais experientes do nosso plantel (Herberto Resendes, Nuno Melo, Carlos Cardoso, Ricardo Possidónio, Pedro Fernandes...) mas também concretizar a necessária e lenta renovação que o trabalho da nossa formação nos últimos anos certamente permitirá, face à qualidade de alguns dos nossos Juniores e Juvenis. O novo técnico definirá agora a sua equipa técnica.

Bem vindo, Sr. Teixeira, desejamos-lhe muito sucesso e esperamos não o defraudar naquilo que será da nossa responsabilidade...»

De salientar que a equipa da bonita ilha de São Miguel, será em principio um dos adversários das equipas ribatejanas (ACR Santa Cita, HC "Os Tigres", CG "Os corujas" e CN Rio Maior). O sorteio da III divisão nacional será realizado dia 17 de Agosto na sede da FPP

terça-feira, 7 de Agosto de 2007

HC TURQUEL ENVIA EXPOSIÇÃO Á FPP

Transcrição da noticia publicada dia 01-08-07 no site do HC Turquel
«Realizou-se ontem o Sorteio do Campeonato Nacional da 2ª Divisão para a época 2007/2008, que veio confirmar o receio que todos manifestavam desde que se soube que a FPP pretendia encaixar a equipa do HCT na Zona Norte, o que se veio a logo no inicio do sorteio quando a primeira equipa a sair na Zona Norte foi o H.C. Turquel.
Ao contrário do que tem sido a prática nos últimos anos, a Federação, com base em estudos apresentados pelo Entroncamento, constatou que o pavilhão do Entroncamento se situa cerca de 250m mais a sul que o pavilhão do HCT, pelo que considerou que a equipa de Turquel deveria passar para a Zona Norte e a do Entroncamento ficar na Zona Sul.

Perante estes argumentos, a direcção do HCT apresentou na última 2ª-feira, 30de Julho, uma exposição à FPP, na qual apresenta o seu ponto de vista e os seus argumentos contra esta decisão, sustentando-se no conceito de proximidade geográfica. Com efeito, o regulamento estipula que «a formação de cada “Zona” ou “Região” é efectuada pela Direcção da FPP segundo a proximidade geográfica da sede social dos clubes, de “Norte para Sul” e de “Poente para Nascente”». Se é verdade que o pavilhão do Entroncamento se situa aproximadamente 250m a sul do pavilhão do HCT, é também verdade que em termos de proximidade a equipa do Distrito de Leiria se encontra aproximadamente 250km (viagem de ida apenas) mais perto das restantes equipas da Zona Sul do que a equipa ribatejana e que esta, por sua vez, se encontra aproximadamente 70km mais perto das restantes equipas da Zona Norte do que o HCT.

Tendo exposto os seus argumentos, e não tendo estes surtido efeito, a direcção do HCT vai continuar a lutar para que seja reposta na Zona Sul, uma vez que na realidade a equipa de Turquel se encontra mais perto da Zona Sul do que a equipa do Entroncamento.»

segunda-feira, 6 de Agosto de 2007

ENTREVISTA DA SEMANA

Depois de um merecido periodo de férias em Portugal, onde veio carregar baterias com vista aos novos desafios que se avizinham, este ribatejano natural dos Riachos que cedo rumou á Suiça á procura de algo melhor, sem nunca esquecer a modalidade de eleição, e que entre 2000 e 2006 foi o timoneiro da selecção de juniores Helvética, e um dos responsáveis pela brilhante classificação da Suiça no ultimo mundial, pois das suas mãos sairam alguns vice-campeões mundiais, tem agora o desafio de colocar o Juventus de Montreux na elite do hóquei patinado Suiço. Seu nome Pedro Antunes e foi com ele que o Cartão Azul, num saltinho á Suiça teve oportunidade de falar sobre hóquei.
CA – Boa tarde, obrigado pela disponibilidade, e em primeiro lugar qual o resultado do jogo de veteranos que foi realizado no Entroncamento, ou melhor o que significou esse encontro com velhos amigos?
PA – O resultado é sempre um empate, pois cada vez que posso estar com aquela malta, ganhamos sempre todos. Há vários anos que os meus amigos esperam por mim, para fazer um último treino e isso é para mim o verdadeiro sentido da palavra Amizade, ligada a um desporto que neste caso é o Hóquei em Patins. Posso-te dizer que quando me convidaram para ir treinar uns dias alguns jovens do Vilanova (perto de Barcelona), organizei os treinos, para poder estar naquele dia com os meus amigos e ex-colegas do C.D. Torres Novas.

CA – Como é sair do país natal, rumo a um país diferente a nivel de mentalidades e cultura, levando na bagagem a paixão do hóquei?
PA – Quando vim para a Suiça, não fazia a minima idéia do que me esperava. Felizmente, graças ao meu irmão Jorge, tive uma boa integração, pude jogar hóquei na primeira divisão com o Genève RHC durante 3 anos, mas depois tive que escolher...
Chegou um momento em que os horários de trabalho não me permitiam jogar hóquei como queria. Passei então a jogar alternadamente com a 1° e as reservas e em 1993, começei a treinar os Juvenis do clube.
Se respeitas as leis e as pessoas do país que te acolhe, não terás problemas em ser respeitado.
CA – Uma carreira como a tua é conseguida a pulso, nem tudo foi um mar de rosas, como foi o percurso desde a chegada até seleccionador nacional de juniores?
PA – Em 1993 e 94, treinei a segunda equipa de juvenis do Genève. Foi o ponto de partida para uma nova paixão. Em 1995, 96 e 98, fui Campeão Nacional de Juvenis. Ao mesmo tempo era treinador-jogador da equipa de Reservas. Fui também treinador de GR da équipa de Juniores (Campeões) e de Seniores em 2000 (Vice-Campeões).
No ano 2000, recebi a proposta de selecionar & treinar a Seleção Nacional de Juniores. Não estava nada á espera daquele convite, mas aceitei com muita honra. Em 2001 apareceu uma nova oportunidade no Genève. Passei também a Treinador da equipa Principal. Fomos 2° em 2000/2001, 3° em 2001/2002 e ganhámos as Taças Suiças de 2001/2002 & 2002/2003.
Nem sempre é fácil para a família, pois sempre acumulei várias tarefas de treinador ao mesmo tempo, durante muitos anos...


CA – Depois de teres conseguido levar os juniores helvéticos a classificações nunca antes conseguidas, como foi a reacção das pessoas e dos amantes de hóquei?
PA – Depois do 5° lugar do Europeu de 2000, que foi o meu primeiro, a Suiça nunca mais baixou do 4° nos Europeus seguintes, tendo mesmo ganho a medalha de Bronze em 2005. O nosso trabalho primou pela regularidade e faltou-nos sempre muito pouco para ganhar mais medalhas. Os resultados contra Portugal, Espanha e Itália, foram sempre, ou quase sempre, muito equilibrados, embora todos saibamos das diferenças de qualidade de uns e de outros campeonatos.
Durante todos estes anos, a Suiça nunca teve mais de 9 equipas de juniores em todo o país... Não é por isso nada fácil, meter a equipa Suiça a jogar a um nível europeu em meia dúzia de treinos... Porque nós só treinamos um domingo de vez em quando... Ainda hoje é assim para todas as equipas.
Por isso, quando perdemos 2-1 contra Portugal (2002 & 2005 por exemplo), ou contra a Itália (2-1 em 2003, 2004, 2006 nos jogos para o 3° lugar) ficamos com pena, mas temos consciencia de que são belos resultados para um pequeno país como o nosso.
Sabía-mos que o trabalho que estáva-mos a fazer, acabaría por dar os seus frutos mais cedo ou mais tarde... e que esse trabalho era reconhecido em toda a Europa.
O que fiz com os meus treinadores adjuntos durante 7 anos, fez com que todas as pessoas que gostam de Hóquei na Suiça, nos recebam bem e nos apreciem.
Foram muitas as pessoas que me vieram felicitar depois do último Mundial em Montreux. Isso deixa-me muito feliz. Além disso ganhei uma nova amizade. O Jorge Elias, que é para mim como um irmão.
CA – Agora tens outro desafio pela frente que é levar a equipa da Juventus ao topo do hóquei suiço. Estás preparado para o desafio?
PA – Estou sempre preparado... (risos). Mas há muitas coisas que não dependem só de ti. Há coisas que não podes controlar e que podem que fazer que os resultados, não sejam sempre aqueles que pretendes obter. Vou dar 200% para que a Juventus possa fazer uma boa época. Esta equipa ficou apenas no 7° lugar no último campeonato da 2° divisão, por isso são de prever algumas dificuldades. Vamos ver até onde conseguimos ir esta época.


CA – O convite para treinar esta equipa é fruto do teu prestigio na Suiça, ou foi uma aposta da direcção no intuito de levar a equipa a lugares de destaque?
PA – Quando souberam da minha saída da Federação, houve clubes que me contactaram para eu ir treinar as suas équipas. Estes convites são fruto do trabalho que tenho feito na Suiça nos últimos anos e do carinho que muitas pessoas me têm demonstrado.
Ainda este ano, os miúdos que preparei no Genève, obteram boas classificações no
campeonato. Os Iniciados foram Campeões nacionais e os Juvenis vice-campeões.
A minha saída da federação em Janeiro 2007, não foi 100% pacífica e a minha paixão pelo hóquei, levou-me a aceitar este desafio, mesmo sabendo que cada vez que vou estar com a equipa, terei que percorrer 200 kilometros... é o bichinho... e o gosto de trabalhar com pessoas que te apoiam a 200%.
CA – Mudando de assunto, e sabendo que fostes um espectador mais que atento no ultimo mundial, o que achaste da participação da equipa portuguesa?
PA – Achei a equipa algo cansada e pouco regular. Os jogos pareciam ganhos antes de os jogar. Penso que o pensamento da equipa, era que mesmo que fosse mais ou menos difícil, os golos acaberíam sempre por aparecer.
É um pouco a mentalidade portuguesa actual. Não há dinheiro para o carro ou para a casa, mas compra-se na mesma. Depois logo se vê como é que se vai pagar...
O Valter Neves esteve sempre bem, mas teve pouco tempo de repouso durante os jogos. O Reinaldo Ventura fez um campeonato excelente. O Caio e o Carlos Silva também estiveram bem.
O Sérgio Silva e o Tiago Rafael, foram pouco utilizados. O Tó Silva e o Rui Ribeiro não foram os “Matadores” que todos esperavam. O Ricardo Figueira quase não jogou.
Não sei bem o que se passou, nem tenho nada que saber, mas a verdade é que este Portugal, esteve longe do Portugal de anos anteriores.
CA – Na tua opinião o sexto lugar é reflexo de opções menos correctas, como por exemplo não convocar o Luís Viana e o Ricardo Pereira, ou terá outros motivos como planeamento, treino e outros promenores mais técnicos?
PA – O Paulo Batista e o DTN, são pessoas mais que competentes e responsáveis, para fazerem o planeamento e treino que pensam ser o melhor. São eles também que ensinam os outros treinadores a crescer através dos Cursos que se fazem em Portugal. Por isso não quero nem devo criticar o trabalho que eles fizeram.
Simplesmente o resultado final, veio provar que o Hóquei não é como a Matemática.
Podes ser o melhor treinador do mundo, com as melhores habilitações do mundo e as coisas não te correrem bem. Por isso não vale a pena pensar que somos mais que os outros em que matéria for. Se ganhas, és “o maior”, se perdes és “uma merda”. É assim em qualquer parte do mundo...
Quanto ás escolhas, cada um tería certamente feito escolhas diferentes. Não escondo que se fosse eu o treinador, tería de certeza dado uma oportunidade a jogadores como Guilherme Silva, Ricardo Pereira, Luis Viana, Filipe Santos e Pedro Alves, de mostrar nos treinos se ainda são ou não melhores que os outros. E se o fossem, não tería problema nenhum em levá-los.


CA – Achas que a saída do Paulo Batista, vai resolver a situação, ou será o adiar do mau momento que o hóquei português atravessa a nível de selecções, e voltar a começar tudo do zero?
PA – O Paulo Batista já mostrou várias vezes que é um grande treinador. Quando venceu a Taça CERS com o Paço de Arcos, fez jogos Tacticamente maravilhosos. Tem um conhecimento enorme do Hóquei em Patins, a todos os níveis.
Agora uma coisa é certa. Hoje não se pode treinar uma equipa, como se treinava há 10 anos e muito menos como há 20 anos. As mentalidades mudaram muito e o relacionamento com os jogadores está em constante (r)evolução. Não é fácil...
Penso que ficou provado nos últimos Europeus e Mundiais, que começar do zero não é a solução. Portugal só está a atravessar um mau momento “porque quer”... Porque tem jogadores que cheguam e sobram, para estar sempre no topo. Parem de falar em “Renovações” e os resultados vão aparecer de novo.
CA – Na tua opinião quem seria o próximo seleccionador nacional?
PA – Há muitas escolhas possíveis. Não comento.
CA – Como vês a situação actual do hóquei português a nível de equipas?
PA – Basta olhar para as equipas que recusam ir ás competições europeias, para ver as dificuldades financeiras que os clubes Portugueses, têm para poder ter uma equipa de hóquei em patins. Os clubes parecem-me desiludidos com certas decisões e só com grandes sacrificios conseguem manter as estruturas de pé.
Todos se queixam das taxas que têm que pagar cada vez que jogam em casa. O publico que paga para ver um jogo, já não chega para suportar essas mesmas taxas. As televisões raramente transmitem um jogo.
Parece-me que os modelos dos campeonatos, os custos dos arbitros e as taxas, deveríam ser discutidos entre todos e chegar a um acordo que satisfaça todas as partes.
Se houvessem, por exemplo, menos clubes por divisão, os encargos seríam já mais pequenos, mesmo a nível de deslocações.

CA – O que representou este desempenho da equipa Suiça no mundial ao sagrar-se vice-campeã, sabendo nós que alguns desses atletas foram treinados por ti?
PA – Esta equipa já tinha sido vice-campeã da Europa de séniores em Monza 2006....
O Jérôme Desponds, o Matthieu Brentini e o Florian Brentini, cresceram comigo no Genève, desde juvenis até séniores.
O Federico Garcia Mendez, veio da Argentina para o Genève, após eu ter insistido para que o Genève lhe envie os papéis que ele precisava par vir para a Suiça. Fiz a sua integração no Genève e esteve comigo em 2 C. Europeus de Juniores.
O Gael Gimenez e o Michael Muller, também trabalharam comigo em 2 C.E. Juniores.
O guarda-redes Nils Hauert, esteve comigo em 3 C.E. juniores.
Este ano, começaram mal contra a Itália, mas foram crescendo a pouco e pouco, até serem Vice-Campeões do Mundo. Eliminando Portugal nos ¼ e Argentina nas ½ finais. Não há palavras... estou muito feliz. A eles, a toda a equipa, aos treinadores, staff e a toda a família hóquista da Suiça, mando um grande abraço, um grande OBRIGADO e PARABENS.


CA – Para terminar queria agradecer mais uma vez a disponibilidade, e deixar o espaço para mais algo que queiras deixar aos visitantes do Cartão Azul.
PA – Quero-te agradecer por este convite, quero-te dizer que foi uma grande honra para mim, ter estado contigo no Entroncamento e quero-te felicitar pelo excelente trabalho que tens feito para o hóquei através do teu Blog.
Aproveito para convidar todos os leitores desta entrevista a passar pelo meu (http://www.patinslover.blogspot.com/) e desejar muitas felicidades a todos os meus amigos.
Nos nossos Blogs, damos as nossas opiniões dando sempre a cara. Somos frontais.
É disso que eu gosto. O que não gosto, é daquelas pessoas que quando vão para a guerra, mandam as achas para a fogueira, mas depois escondem-se atrás do pelotão para que ninguém os veja.
Um grande abraço para todos os amantes do Hóquei em Patins.

sexta-feira, 3 de Agosto de 2007

DAVID VIEIRA ABANDONA UNIÃO

Afinal David Vieira vai mesmo deixar o União Futebol Entroncamento, o clube em que se iniciou para a modalidade e sempre representou. O Cartão Azul questionou o presidente da colectividade Dr. Vitor Frutuoso sobre a eventual saída do atleta e transcreve de seguida a resposta do mesmo:

«Infelizmente a saída do David Vieira é uma realidade, o jogador falou comigo, solicitou-me a saída e obviamente, nem eu, nem o UNIÃO queremos atletas contrariados, pelo que apenas nos restava aceitar e respeitar a sua decisão, que básicamente era unilateral, mas deixa-me a mim e com toda acerteza a toda família Unionista muita tristeza e mágoa pela decisão do atleta.»

Segundo informação a que o Cartão Azul teve acesso o atleta será mais um reforço da equipa da ACR Santa Cita, que este ano terá com treinador Rafael Oliveira, que lançou o atleta nos séniores quando treinava a equipa da União.

quinta-feira, 2 de Agosto de 2007

SC TOMAR - ELEIÇÕES MARCADAS PARA 14 SET - JORGE COSME PODE AVANÇAR

Jorge Cosme poderá ser o sucessor de António Rosa Dias na presidência do Sp. Tomar, depois de duas assembleias-gerais eleitorais onde não apareceu qualquer lista candidata. Jorge Cosme afirmou ao ‘Cidade de Tomar’ que está a ponderar a hipótese de uma candidatura, decorrendo nesta altura “contactos com alguns sectores do clube” no sentido de recolher opiniões.
Antigo atleta do clube tomarense e na época passada treinador da equipa de Iniciados de hóquei em patins, Cosme considera que até agora “os contactos estão a decorrer favoravelmente” e que se assim continuarem avançará para as eleições. Salienta que não pretende clivagens dentro do clube e que a sua possível candidatura não será de rotura mas sim de continuidade, contando com o apoio do actual presidente, António Rosa Dias. No entanto, refere que a lista ainda não está completa e que os contactos servem também para se colocar a par da actual realidade do Sp. Tomar.
Fonte: Jornal "Cidade de Tomar"

ACR SANTA CITA APRESENTA PLANTEL

O grupo de trabalho do Hóquei Sénior da A.C.R. de Santa Cita, que vai disputar o Campeonato Nacional da 3ª divisão, está praticamente definido. Até ao inicio dos trabalhos, agendados para 20 de Agosto, será ainda apresentada a equipa de seccionistas responsáveis pelo Hóquei Sénior, bem como de um mecânico. O plantel de jogadores pode ainda ser retocado com a chegada de mais um atleta.

Coordenador Técnico - Luis Cunha (ex-Juventude Ouriense)
Treinador - Rafael Oliveira (ex-União do Entroncamento)
Treinador- adjunto - Mário "Serra"
Massagista - Ernâni Batista


Atletas:
João Martins (GR)
André santos (GR)
Bruno Aires (GR)(ex-Juventude Ouriense)
Rui Oliveira (Cap.)
Tiago Barreiro(Sub-Cap.)
Eliseu Raimundo "Zig"(Sub-Cap.)
Hugo Saboga
Hugo Matias
Miguel Boavida
Daniel Alves
Marco Bento (ex-União do Entroncamento)
Nuno Nobre (ex-Sporting de Tomar)

Fonte: ACR Santa Cita

quarta-feira, 1 de Agosto de 2007

TORNEIO 3x3 SC TOMAR

Decorreu no fim de semana, dias 21 e 22 de Julho o I Torneio 3x3 realizado pela secção juvenil do Sporting C. Tomar, com a participação de 22 equipas, divididas em 2 grupos. No escalão mais jovem estiveram 6 equipas, tendo o escalão de Juvenis a Veteranos contado com 16 formações dos mais variados pontos do País.
De entre as equipas que participaram no Torneio, esteve uma oriunda do Porto, duas de Beja, para além de muitas das equipas presentes, terem jogadores de Lisboa e que participam nos mais variados campeonatos nacionais.

Pode-se dizer que este Torneio foi um sucesso, tanto em termos desportivos como sociais. Foi acima de tudo um fim de semana dedicado só a hóquei, evoluindo no Pavilhão “Jacome Ratton” cerca de 95 atletas, representativos das 22 equipas que participaram neste evento.
Com inicio no Sábado pelas 9.00 H da manhã, terminou a primeira fase de grupos pelas 23.00 horas. No Domingo, participaram as equipas seniores que se tinham qualificado no dia anterior, dispostas em 4 grupos de 3 equipas, apurando-se para as meias finais as vencedoras dos respectivos grupos.
No escalão dos mais novos, as 4 melhores formações, disputaram-se no Domingo pela manhã , os jogos de apuramento para a final . Após estes jogos, as equipas do “Bate N´Avó” ( Infantis do SCT) e “ Os Miúdos do J.O.” ( formada por atletas Infantis e Iniciados do J: Ouriense), disputaram o encontro para os 3.º e 4.º lugares com a vitória a sorrir à formação de Tomar por 1-0. Para apuramento de campeão deste escalão, a equipa “ Via Aventura Team” ( Iniciados do SCT) levou de vencida a formação do “Trisistal” ( misto de jogadores Iniciados do BIR e Marinha) também por 1-0.
Nos mais velhos, após apuramento de campeões de série da segunda fase, as formações do “Royal Dog Pet Smop” ( misto de atletas do BIR e Marinha) venceu por 4-1 a formação Alentejana do “Balancho e Balancho” no jogo que se decidia os 3.º e 4.º classificados. Para a final, esperada com muita expectativa pela excelente moldura humana que se encontrava no Pavilhão “Jacome Ratton”, a equipa do “Mangas” ( onde pontificavam Ivo Ribeiro, Jorge Godinho e Pedro Nobre) , defrontou e venceu os “Rasteirinhos”, ( composta por Filipe Almeida, Ivo Silva, Rodrigo Figueiredo e João Lapa – g.redes do Marinhense Juvenil) por 3-1 num encontro muito bem disputado, mas onde a maior experiência dos jogadores do “Mangas” foi decisiva para a obtenção do troféu do 1.º lugar do Torneio.


Foram ainda entregues troféus para o atleta mais idoso, entregue a Vítor Capitolino, ao melhor g. redes, entregue a João Lapa da equipa do “Rasteirinhos”, e ao melhor marcador, que só poderia ser Pedro Nobre, que com 28 golos despediu-se esta época do seu Pavilhão de sempre.
Como epílogo, o que fica na retina de quem participou e a quem assistiu a este I Torneio 3x3 organizado pelo Sporting de Tomar, foi a qualidade da maior parte dos jogos, a camaradagem entre os participantes, o respeito mutuo entre os atletas, porque acima de tudo, para além da componente competitiva inerente a uma prova, foi o prazer de participar e jogar de forma desinibida e tirar todo o prazer de se envolverem numa vertente do hóquei, que sem duvidas, proporciona momentos de beleza nesta modalidade.

Cortesia:
Texto: Carlos Emidio Martins
Fotos: Jornal "Cidade de Tomar"