sexta-feira, 17 de Outubro de 2008

ESPANHA ESTÁ A CAIR

Depois de os juniores portugueses terem conquistado o título europeu, no mesmo ano em que os juvenis também foram campeões e os sub-23 ganharam a Taça Latina, é caso para dizer que Luís Sénica, de 44 anos, é o homem certo no lugar certo. Director-técnico nacional, coordenador do projecto das camadas jovens nascido em 2004 e responsável pelos seniores, Luís Sénica conseguiu incutir nova dinâmica à selecção A, apaziguar o público com a sua equipa e ao mesmo tempo afastar a Espanha das medalhas de ouro nos escalões jovens. Tudo fruto de um projecto alicerçado na detecção de talentos, centros de treino e campeonato inter-regiões, no qual Sénica é o fio condutor: um modelo pioneiro, agora seguido pela vizinha Espanha. Orgulhoso, fez questão de frisar: "Seguimos a ideia de um modelo de jogo, que tentamos aplicar sem fugir à identidade do hóquei português e é assim que temos feito a aproximação a Espanha, que começa a estar preocupada connosco. A geração sub-20 tem muita qualidade".
Há quatro anos que Portugal atinge todas as finais nos "sub", o que sugere ao técnico uma convicção: "A Espanha já caiu em todas as frentes da formação. Esperemos que o mesmo aconteça para o ano no Mundial de Vigo".
Uma semana passada no Norte da Alemanha, em Hamm-Herringen, serviu para o DTN perceber que o hóquei está em expansão e que Portugal, Espanha e Itália não estão sós em rinque. "Em nada na vida as coisas mudam rápido. É preciso tempo, trabalho, tranquilidade, mas os alemães estão com vontade de evoluir e aprender novas metodologias. Já temos uma Suíça e uma França num nível diferente, a causar dificuldades, e teremos a Alemanha".
"Oviedo é o meu fantasma"
Travar a hegemonia espanhola é o objectivo de Luís Sénica, já quase uma obsessão. Esteve perto no Europeu de Oviedo, no passado mês de Julho, mas na final foram os anfitriões a fazer a festa e os seniores portugueses não puderam juntar-se aos juniores e juvenis no lugar mais alto do pódio. "Oviedo é o meu fantasma. Tive a nítida noção que merecíamos ganhar, ou pelo menos disputar o golo de ouro", desabafou o homem que persegue o sonho de devolver ao hóquei nacional o brilho de outros tempos. Feliz com as vitórias dos sub-17, sub-20 e sub-23, Luís Sénica diz que já gozou o sabor das vitórias, mas que entrou agora numa fase de reflexão: "Temos de aproveitar o que de bom fizemos e perceber o que podemos introduzir para continuar na procura da excelência".
Sonho de ver o hóquei em Madrid'2016
No próximo ano, o Comité Olímpico Internacional (COI) acolhe uma nova modalidade e, em Outubro de 2009, o organismo presidido por Jacques Rogge escolhe a cidade anfitriã da edição de 2016. Há uma esperança para o hóquei em patins, sobretudo se Espanha vencer a corrida. Luís Sénica diz que o tema tem "contornos políticos que não domina", mas vai sublinhando: "Trabalho todos os dias com profissionalismo, como se o hóquei fosse olímpico. Se nos dão uma janela de esperança, devemos acreditar. Está nas mãos de quem tem o poder". Amante incondicional da modalidade, Sénica recordou as palavras de José Mourinho: "Ele disse que o hóquei devia ser olímpico e que Portugal teria então uma chance para ganhar uma medalha num desporto colectivo".
Juniores invencíveis... até nos cartões
A Selecção júnior saiu do Europeu da Alemanha com registos dignos de referência. Em seis jogos, marcou 35 golos, manteve a invencibilidade, sofreu apenas quatro tentos e conseguiu somar mais cinco pontos do que a Espanha. João Rodrigues, do Paço de Arcos, foi o terceiro melhor marcador terminando a prova com nove golos, menos um do que os espanhóis Enric Torner e Antonio Pérez. Portugal regressou a casa ainda com o prémio fair play: ao longo de uma semana, viu apenas um cartão azul.

Paula Capela Martins, in Jornal "
O Jogo"

9 comentários:

Anónimo disse...

Eu penso que hóquei em patins devia de fazer parte dos jogos olimpicos, em virtude de ser uma modalidade espectacular ao nível tecnico e por ser a modalidade que arranjou mais troféus para Portugal. Continuo a pensar que esta modalidade foi esquecida pela nossa imprensa desportiva, nomeadamente a televisão e a rádio, tanto nos eventos internacionais, como nacionais.

Um abraço,

Nunão

Anónimo disse...

A Imprensa deixou foi de ter paciência para aturar cagões que de hóquei e pelo hóquei percebem e fazem ZERO. Assim como se devem criticar aqueles que por terem sido grandes figuras do hóquei nacional e por deverem grande parte daquilo que são hoje e grande parte ou toda da sua notoriedade, deveriam estar ao lado de quem tanto trabalha para ver o hóquei Português lá bem em cima, em vez de se limitarem a aparecer só para criticar quando algo corre menos bem ou então aparecem mesmo só para não serem esquecidos, parece que têm medo que haja sucesso e que esse sucesso faça com que as pessoas se esqueçam deles. Não se ouviu um único elogio publico por parte daqueles que noutros tempos souberam criticar publicamente. É aqui que se perde a legitimidade para falar, porque se houvesse seriedade e vontade de ajudar, vontade de valorizar, seriam essas pessoas coerentes e valorizavam quando é para valorizar, tal como fazem quando é para criticar.

Anónimo disse...

onde anda o vitor hugo agora??

Anónimo disse...

Este homem vale ouro.

Parabéns Luís Sénica

Anónimo disse...

Parabéns Prof Sénica. Sabe bem quanta admiração tenho no seu trabalho e da parte do SCP apenas nos compete cada dia que passa lutar por tornar-lhe a escolha dificil, pelo menos nos escalões de Formação. Sabe-o bem que cada Selecção sua também é a minha. Eu diria que a de TODOS NÓS.

Um abraço e bem haja pelo seu trabalho e resultados

Gilberto Dias Borges

Anónimo disse...

Dizer ao sr. Nunão que ser modalidade olimpica é necessário ter regras fixas e universais acha que o hoquei patins tem essas caracteristicas?veja só a cagada que fizeram agora em relação ás mesmas

Anónimo disse...

simplesmente notavel, o trabalho da equipa técnica liderada pelo prof Sénica, já verificaram quantas vezes Portugal venceu todas as competições de formação? sub 17, sub 20 e sub 23, julgo que com este foi o 3º ano que tal aconteceu, mais notavel ainda fomos vice campeões do mundo em femininos, e tivemos um comportamento meritorio no europeu de séniores, parabéns professor e a todos que consigo contribuiram para um ano muito positivo para o hoquei português.

Anónimo disse...

O trabalho a longo prazo sempre deu frutos...finalmente os projectos a longo prazo poderão ser uma realidade nesta modalidade, e deixar de lado o aqui e agora que imperou durante tempos...

Anónimo disse...

A continuar assim o hoquei não dura mais que 10 anos ...Vai ser um desporto so para algumas elites...
... taxas e mais taxas seguros e mais seguros ... mensalidades ao clubes....material super caro.... penso que estava na altura de se fazer uma reflexão ...SE QUEREM SALVAR O HOQUEI.... OU FAZER DELE DESPORTO SÓ PARA ALGUNS.
Penso que seria uma boa materia para debater aqui neste espaço que tanto tem feito pelo hoquei ribatejano e nacional.