quinta-feira, 15 de Janeiro de 2009

NOS BASTIDORES DO CARTÃO AZUL

A menos de 48 horas do inicio da missão, que irá certamente mexer com o Blog no que concerne aos “timings” de actualização, publicação/divulgação de noticias o Cartão Azul recupera a entrevista concedida por Francisco Gavancho (Administrador do Blog) ao Blog MSJ7 (entretanto extinto), no dia 28 de Outubro de 2007. Actualmente revejo-me na esmagadora maioria das respostas, tendo no entanto alterado a minha opinião em relação a uma ou outra.

Bom dia Francisco Antes de mais, e achando eu justo e compensatório o trabalho que tens feito na divulgação do Hóquei regional, desafio-te a colocares-te no lado oposto e seres tu a dar uma entrevista para o MSJ7.

MSJ7 – Queria começar por te perguntar como surgiu esta ideia de perderes grande parte do teu tempo por um projecto todo ele elaborado pela tua carolice e paixão por esta modalidade?
FG – Em primeiro lugar obrigado pela oportunidade, quanto á ideia começou a ter os primeiros “alinhavos”, na altura em que estava a bordo da Fragata Vasco da Gama, longe do Entroncamento e onde só conseguia saber alguma coisa do hóquei do Ribatejo através do teu blog, e então no meu tempo livre fui começando a fazer um esboço do que viria a ser mais tarde o Cartão Azul. Depois de ter desembarcado e restituído á família o tempo que lhes tinha “roubado” em 3 anos de mar, comecei a documentar-me a falar com pessoas ligadas á modalidade e no dia 01 de Março dei inicio ao trabalho, sempre muito apoiado pelo meu filho que me foi dando umas digas na elaboração/configuração do mesmo.
MSJ7 – Sabendo eu que és um apaixonado pelo Hóquei, quais as convicções que te levam, passado quase um ano, a levar esta iniciativa para a frente, mesmo sujeito a alguma opiniões contraditórias ou mesmo algumas ofensas a nível pessoal a que um administrador de um espaço destes está sujeito?
FG – Sabes Mário, o que me tem movido a continuar com este “hobby” é a vontade de divulgar a modalidade que eu elegi como favorita, sem nunca a ter praticado, e que se não forem os Cartões Azuis, os MSJ7, Mundook, Mundo do Hóquei, União Micaelense entre outros a divulgar, acaba por cair no esquecimento e já que a comunicação social nacional e regional/local não acompanha ou pouco liga, e desculpa o termo temos que ser nós “carolas” a assumir esse papel. Quanto ás opiniões contraditórias, são sempre bem vindas e se forem criticas construtivas ainda mais, quanto as ofensas pessoais só vem fazer com que a dedicação seja maior.
MSJ7 – Sabido que és um adepto honroso do União do Entroncamento, como vês esta travessia de resultados e formação que se abateu no clube nestes últimos anos?
FG – Eu cresci na rua paralela ao União, lembro-me de ver jogos no antigo ringue em cimento, que depois foi aumentado, apesar de nunca ter praticado sempre vi os jogos e frequentei as instalações para jogar futebol salão. Quanto a esta fase menos boa do clube a nível de formação, pois quer queiramos quer não o União foi e é e estou convencido que voltará a ser um ícone na modalidade em geral e na formação em particular. Mas na minha opinião enquanto adepto e sócio do clube o ponto de viragem e a curva descendente a nível de resultados começa com a saída do Sr. João Maria, que era o principal mentor/dinamizador do clube a nível de formação, e depois ouve dois ou três elementos que vieram a seguir que em vez de pegar no trabalho que estava feito pelo Sr. João, começaram a inventar e neste altura em pleno século XXI, está tudo inventado como tal, estragaram um trabalho que demorou décadas a construir, e que tu enquanto jogador do clube sabes bem que existia, e não é á toa que do União saíram jogadores muito bons, alguns acima da média como o Gonçalo Amaral e o Nuno Cochicho, entre outros, e ainda actualmente tanto como jogadores, como treinadores continuam em posições cimeiras no hóquei ribatejano.
MSJ7 – Conseguimos analisar pelos resultados que o UNIÃO está em franca recuperação de credibilidade, achas que agora sim, está no caminho certo?
FG – Por acaso estive no passado sábado de manhã do Pavilhão e foi com muito agrado que vi muito miúdos penso que alguns bambis outros benjamis a trabalhar com agrado e afinco e aquela imagem fez-me recuar uns onze, doze anos atrás quando o Nuno começou a dar as primeiras “patinadelas”, sob a orientação do José Manuel Ventura, e que o União era referência. Actualmente penso que esses miúdos vão ser o futuro do clube e o Cajé, o Saboga, o Rui Alves e as outras pessoas que trabalham com eles, irão de certeza colher o que estão agora a semear.
MSJ7 – Uma opinião sobre este novo presidente do clube?
FG – Penso que o Sr. Vítor Frutuoso, além de estar ligado á vertente desportiva é uma pessoa com princípios e dinamismo para trazer de novo o União ao lugar que é seu por direito.
MSJ7 - Como vês a formação e o hóquei em geral a nível regional?
FG – A nível regional, acho que existem dois clubes que estão a trabalhar a “todo o vapor” que é o caso do HC Santarém e do SC Tomar, e os restantes continuam também a desenvolver um bom trabalho, e fruto disso são as chamadas aos trabalhos das selecções nacionais, do David Vieira e do Filipe Almeida, e resultados como os de 2005 e 2006 no Inter-regiões em que se alcançou um quinto e quarto lugar. Depois acho que temos óptimos técnicos a trabalhar no distrito, o que falta se calhar é a abundância de atletas como acontece em Lisboa no Porto e em mais duas ou três localidades do país, e neste caso quantidade é sinónimo de qualidade, pois é mais fácil em 30 ou 40 escolher 10, do que por vezes ter 10 para escolher outros tantos.
MSJ7 – E a nível Nacional?
FG – Continua a haver aqueles clubes que são referência a nível de formação, tipo um Paço de Arcos, FC Porto, OC Barcelos, que são candidatos crónicos ás finais, e depois a espaços lá vão aparecendo uns out-siders como foi o caso do FC Oliveira do Hospital, o Parede FC este ano em juvenis. Ainda por Lisboa e pelo que tenho acompanhado acho que tanto o Sporting como o Benfica estão a fazer um trabalho muito bom na formação, de que já resultaram títulos nacionais.
MSJ7 – Sendo tu um adepto atento do hóquei a nível regional, espectador atento de alguns jogos, o que achas e que clubes pensam estar a trabalhar melhor?
FG – É difícil responder a essa pergunta, porque acho que todos eles dão o seu melhor em prol da modalidade, e depois é difícil agradar a “Gregos e Troianos”, senão vê o caso do Tomar em seniores, que apesar de ser a melhor equipa ribatejana (na minha opinião, claro) ser um dos ícones da modalidade a nível nacional, e que tem um boa equipa, muito bem orientada, se questionares os adeptos do clube uns são a favor outros são contra, portanto é sempre difícil dizer quem está melhor. Não posso deixar passar a oportunidade para saudar o Gualdim Pais nesta sua nova faceta que é o nacional de seniores, e estou convencido que após este ano de “aprendizagem”, vamos ouvir falar muito daquela equipa. Quanto ás outras aproveito para desejar a todas um excelente campeonato e que no final da época tenham conseguido atingir os objectivos a que se propuseram.

MSJ7 – Mudando de assunto, o Mar é para ti o céu de muitos, Descreve-nos um pouco da vida marítima que um homem como tu tem, passando horas e horas dentro de um barco, longe da família e dos amigos.
FG – Sabes Mário, o mar é a minha paixão e quando consigo conciliar o prazer de trabalhar em comunicações com o prazer de navegar é sem dúvida uma realização tanto pessoal como profissional, é claro que isto tem o reverso da medalha que é longos períodos ausente, longe da família, longe dos amigos mas a família em particular como elo mais forte, compreende que a minha vida passa por isso e tem noção do quanto me realizo profissionalmente. Actualmente estou numa fase em que desembarquei á cerca de um ano, e terei apenas uma nova hipótese de voltar ao mar, que está neste momento em cima da mesa e a ser estudada por quem de direito, e como tal estou naquela fase que se for eu o eleito, terei todo o orgulho em voltar a servir o meu país em mais esta missão, se não for continuarei a servir o meu país da mesma forma mas sem a componente marítima associada, e neste caso continuarei a servir os amantes da modalidade através do Cartão Azul. Em relação a passar horas, dias, semanas no mar ainda o ano passado em Junho estivemos 23 dias seguidos no mar, vai-se passando com “tranquilidade”, alternando as horas de serviço, com outras de lazer, onde se vai pondo a leitura em dia, ouvindo umas musicas, e acabamos por estar em casa pois somos uma família e o objectivo é comum, atracar em segurança em Lisboa e regressar aos entes queridos.
MSJ7 – Francisco, antes de mais o meu obrigado por aceitares esta conversa e muitas felicidades e continuação de um trabalho sério que estás a realizar com o Cartão Azul.Para terminar, uma mensagem aos miúdos que começam agora a sua vida desportiva na nossa modalidade.
FG – Que tenham objectivos, que trabalhem sempre para serem os melhores, e sejam disciplinados e tenham regras, pois ter habilidade só não chega, é preciso disciplina e se conseguirem aliar a vocação para a modalidade, com o trabalho e a vontade de vencer, tentando absorver ao máximo os ensinamentos dos treinadores, tem tudo para singrar.
MSJ7 – Obrigado e até uma próxima. Abraço
FG - Obrigado eu Mário pela entrevista e felicidades para o teu MSJ7 e para a tua vida particular e desportiva.

9 comentários:

Ricardo Filipe disse...

Boa sorte para a tua ultima missão Gavancho!
Vai ser um prazer tê-lo como staff de comm´s e principalmente na componente de rádio a bordo do NRP "Corte - Real"!
Encontramo-nos em Março ou em Agosto!

Abraço

Anónimo disse...

Amigo Gavancho

Desejo-te uma boa "Missão" e que na medida do possível que vás tendo algum tempinho aqui para o Blog.

Um abraço e até um dia !...

Fernando Cabaço

Anónimo disse...

Sem duvida uma das entrevistas mais bem conseguidas do MSJ7.
Vai lá mas volta rápido que fazes aqui falta!
Abraço
Mário Serra

Tudosobrehoquei disse...

http://tudosobrehoquei.blogspot.com/ deseja boa viagem ao Sr. Francisco Gavancho.

Ricardo Barral disse...

A ti Gavancho desejo todas as felicidades nesta missão.
E que o Cartão Azul que tu elevas-te bem alto continue a ser o que é.

Anónimo disse...

Desejo uma Excelente missão e uma boa viagem ao SR. FRANCISCO GAVANCHO,e já agora aproveito para dizer que foi uma BOA entrevista do MSJ7 Parabéns!

Até ao seu regresso,Por entre os mares,cá esperamos por si. JM

Anónimo disse...

UM DESEJO DE UMA GRATIFICANTE E SAUDOSA ULTIMA MISSÃO.
De um fz para Um GRANDE marinheiro.

ERNANI

Anónimo disse...

BOA MISSÃO.
E UM EXCELENTE REGRESSO.

UM FZ, PARA UM MARINHEIRO.

ERNANI

CAJÉ disse...

BOA VIAGEM AMIGO E RÁPIDO REGRESSO.
ABRAÇO.
CAJÉ