sábado, 30 de Abril de 2011

EMPATE AMARGO, AGRAVA SITUAÇÃO


Foi um empate a duas bolas e com sabor amargo aquele que o SC Tomar conseguiu  na Ilha Dourada frente ao Porto Santo SAD. Um ponto que poderia significar algo para os verde e brancos, acaba por saber a "fel" face à vitória do Cascais frente ao HA Cambra e o consequente aumento para 4 pontos a diferença que separa o SC Tomar do GDS Cascais que ocupa a ultima posição das que dão acesso à manutenção no escalão maior do hóquei patinado Português. Ivo Silva inaugurou o marcador para a equipa de Nuno Lopes aos 8' de jogo, para a equipa da Vila Baleira empatar por Paulo Monteiro. Gonçalo Santos colocaria novamente os verde e brancos no comando do marcador mas Paulo Monteiro voltaria a restabelecer a igualdade a duas bolas, resultado com que se chegou ao intervalo e se manteve na 2ª parte.


Em Almeirim, uma goleada por 15-3 frente ao CD Santa Clara, mantém o sonho dos Tigres bem acesso no que diz respeito à subida de divisão. A equipa de Jorge Godinho não teve dificuldades em vencer a equipa Açoriana e mantém a 3ª posição com menos 2 pontos que o líder HC Turquel e menos um que o CD Paço de Arcos, mas com menos um jogo. Rui Cova com 5 golos, David Abreu (4), Bruno Januário (3), Leandro Santos, Carlos Trindade e João Silva foram os marcadores de serviço.


Em Sesimbra, um póker de Filipe Almeida contribuiu para a vitória da J. Ouriense que regressou assim às vitórias. A equipa de Hélder Santos consolidou assim a 7ª posição com 42 pontos, os mesmos que o 6º classificado BIR. Num jogo onde a equipa da casa contestou a actuação da dupla de arbitragem Alentejana António Fialho e Jorge Monginho, João Filipe foi o autor do outro golo Ouriense, confirmando no placard 5-2 a favor da equipa Ribatejana.


Na 3ª divisão Centro, e na ultima jornada as equipas Ribatejanas venceram fora e confirmaram as posições na tabela classificativa. O Santa Cita foi vencer o HC Lourinhã por 6-2 com um hattrick de Tiago Barreiro, David Vieira, Rui Oliveira  e Nuno Nobre apontaram os outros golos da equipa de Luís Miguel Cunha. A equipa da Aldeia Ribatejana do Hóquei em Patins termina assim na 1ª posição com 52 pontos, fruto de 17 vitórias, 1 empate e 4 derrotas nos 22 jogos disputados, começando no próximo sábado em  casa frente ao Sporting CP a disputa da poule de apuramento do campeão nacional da 3ª divisão.


Em Oliveira do Hospital o União FE venceu por 7-6 e ficou na 3ª posição a 5 pontos da  Académica de Coimbra. Num jogo em que a equipa de Barros Simões vencia ao intervalo por 5-1, a 2ª parte acabou por ser "penosa", no entanto a equipa alvi-negra conseguiu vencer e amealhar os 3 pontos em disputa, somando assim no final 44 pontos em 22 jogos divididos por 14 vitórias, 2 empates e 6 derrotas. ficando e como tem sido referido neste espaço, um amargo de boca, pois a equipa Unionista teve tudo para subir e acompanhar o vizinho Santa Cita, mas a conjugação de vários factores durante um período do campeonato levou a este resultado, e agora olhando para trás poder-se-á dizer que a subida esteve sempre por perto, faltou apenas liderança.

Fotos de arquivo: Barros Simões, João Flores, União FE e Ultras Almeirim

sexta-feira, 29 de Abril de 2011

3ª DIVISÃO (ZONAS) CHEGA AMANHÃ AO FIM

Estão de regresso os Nacionais e no caso da 3ª divisão para se disputar a ultima jornada.


Na 1ª divisão o SC Tomar que vem de uma série negra de resultados que levou a equipa de Nuno Lopes até ao 14º lugar, desloca-se até à Ilha Dourada para defrontar o Porto Santo SAD actual 10º classificado com 28 pontos (mais 4 que a equipa Leonina). Antevê-se um jogo complicado para a equipa verde e branca, que necessita urgentemente de pontos para tentar sair da situação complicada em que se encontra. No entanto o adversário debate-se com grandes problemas financeiros que tem vindo a afectar o rendimento dos jogadores insulares, e que poderá vir a ser aproveitado pela equipa Nabantina, assim o engenho e a arte ajudem. Na 1ª volta o SC Tomar venceu por 8-4.


Na 2ª divisão Sul e com inicio marcado para as 2100 horas, os Tigres de Almeirim CD Santa Clara dos Açores que em caso de derrota pode ver no Ribatejo carimbada a descida de divisão. Para a equipa de Jorge Godinho antevê-se um jogo teoricamente acessível e onde o técnico azul e branco poderá aproveitar para dar minutos aos jogadores menos utilizados. Na 1ª volta os Tigres venceram por 9-1. O jogo terá transmissão na Tigres Tv.


A Juventude Ouriense desloca-se até Sesimbra, num jogo com contornos visíveis de dificuldade, e onde a equipa de Hélder Santos terá de estar ao seu melhor nível para poder trazer pontos para Ourém. Depois da derrota na passada sexta-feira por 3-8 frente ao HC Turquel, a equipa Ouriense começa aos poucos a cair na tabela classificativa e já vai na 7ª posição, mas com a LMR Algés e GD Sesimbra a poucos pontos. Na 1ª volta a J. Ouriense venceu por 6-5.


Na 3ª divisão Centro disputa-se como atrás foi referido a ultima jornada e o Santa Cita vencedor da zona desloca-se até à Lourinhã para tentar terminar o campeonato com uma vitória e certamente a fazer já experiência para a recepção ao Sporting CP no próximo dia 07 de Maio. recorde-se que na 1ª volta a equipa da Lourinhã venceu por 3-2. Nesta 2ª volta a equipa de Luís Miguel Cunha perdeu apenas 4 pontos (derrota em Marrazes e empate nos Lobinhos).


O União FE termina o campeonato em Oliveira do Hospital, frente à equipa sensação que chegou a liderar e esteve durante muitas jornadas nos lugares de subida, tendo inclusive terminado a 1ª volta na liderança. A equipa alvi-negra tem neste jogo a hipótese da desforra visto que a equipa da "aba da serra" venceu no Albano Mateus por 6-5. Independentemente do resultado a equipa de Barros Simões já tem assegurado o 3º lugar.

Fotos de arquivo: Barros Simões. Ultras Almeirim e Luís

JUVENIS DO SC TOMAR RECEBEM TAÇA


 
O Presidente da AP Coimbra José Coelho aproveitou a realização do III Torneio Internacional Cidade de Tomar para entregar a Taça de Campeão Regional de Juvenis à equipa do SC Tomar. O Regional de Juvenis foi realizado sob a égide da AP Coimbra e contou com a presença de 12 equipas das Associações do Ribatejo, Leiria e Coimbra.


A equipa de Pedro Nobre apurou-se para a 2ª fase só com vitórias e na 2ª fase encontrou a J. Ouriense (2º da série B) HC Turquel e FCO Hospital da série A e venceu esta fase consentindo apenas um empate, e garantindo o titulo a uma jornada do final, precisamente nesse empate em Turquel a duas bolas.


Como já aqui já foi referido na rubrica "Espaço Aberto", foi notória a ausência dos representantes da AP Ribatejo não só no Torneio propriamente dito, como nesta cerimónia, até pelo facto de ser um dos seus associados que estava a receber mais um titulo para engrandecer o palmarés não só do clube, mas também da Associação.

Fotos: Barros Simões

quinta-feira, 28 de Abril de 2011

RIBATEJO APRESENTOU UM HÓQUEI BONITO

Findo o Inter-regiões disputado em Oliveira do Hospital fomos saber junto de Fernando Vaz, técnico Ribatejano a sua opinião relativamente ao evento, os aspectos positivos e negativos, o futuro próximo da selecção Ribatejana, e como vê o trabalho feito pelas equipas no que diz respeito aos escalões de formação.
CA – Boa tarde Fernando. Qual o balanço que fazes da participação da AP Ribatejo nesta 35ª Edição do Inter-Regiões?
FV – Se analisarmos apenas a classificação final, ficamos a pensar que a nossa participação poderia ter sido melhor, mas se analisarmos a nossa participação num todo, verificamos que a classificação final não dá justiça ao hóquei apresentado pela nossa selecção. O meu balanço é francamente positivo. A nossa selecção apresentou um hóquei muito bonito, onde o jogo colectivo sobressaiu sempre ao jogo individual e quando assim é todo o grupo de trabalho está de parabéns pelo hóquei apresentado. Soubemos estar tão bem dentro de campo como fora de campo que também é fundamental para se analisar a prestação final. A única coisa que não correspondeu foi mesmo só a classificação final, que quanto a mim é o menos importante.
CA – Nos jogos que pude ver, o Ribatejo revelou-se uma equipa consistente a defender, com o Carlos Silva muito bem entre os postes, e muito bem no ataque e contra ataque, pecando na minha opinião na finalização. Achas que este foi um dos factores que contribuiu para que a classificação final não fosse melhor?
FV – É verdade que em alguns jogos esse foi um factor determinante para o desfecho dos mesmos. Conseguimos sempre fazer o mais difícil, que era criar situações de finalização junto da baliza adversária, mas na hora de finalizar nem sempre fomos eficazes. Criamos situações de golo tão claras que os meus jogadores, em algumas situações, facilitaram na hora de finalizar e em jogos tão equilibrados como foram os jogos com o Porto e Lisboa isso tornou-se num factor decisivo no resultado final.


CA – No jogo com Lisboa por exemplo, tiveram oportunidades de ir para o intervalo com um resultado mais dilatado, e mesmo na 2ª parte existiram lances que poderiam ter contribuído para aumentar a diferença no marcador. Achas que nesse jogo foi apenas essa parte aliada a alguma quebra física que permitiu a reviravolta da selecção de Lisboa, ou achas que existiram outros factores?
FV – Esse foi um jogo em que todos nós acabamos por sair do mesmo com uma frustração muito grande pelo resultado final. Ao final da 1ª parte se estivéssemos a vencer por 3 ou 4 golos de diferença teria sido o resultado mais justo. Infelizmente os golos não corresponderam às situações criadas e aliada a uma soma de faltas de equipa completamente despropositadas ao longo do jogo originou com que a nossa equipa permitisse o empate e a reviravolta no marcador. No meu entender não foi pela parte física que nós acabamos por perder este jogo, mas sim pela parte psicológica, pois todos nós sentimos que tínhamos o jogo controlado e que a partir de uma certa altura começamos a perder o controlo do jogo devido a factores aos quais nós não conseguimos controlar. A partir desta altura a equipa perdeu os níveis de concentração, tendo a selecção de Lisboa aproveitado para dar a volta ao marcador e acabado por vencer. O importante é que fizemos um grande jogo elogiado por vários responsáveis pela modalidade presentes e como um deles acabou por me dizer no fim merecíamos um bocado mais de respeito.
CA – No jogo seguinte com Leiria achas que os teus jovens atletas acusaram o esforço/resultado do jogo anterior ou foi mesmo a “estrelinha” da sorte que não brilhou?
FV – Este jogo com a AP Leiria foi o menos conseguido neste torneio. A equipa acusou muito o esforço físico dos jogos anteriores e o resultado do jogo com Lisboa. Apesar disso lutamos até ao fim, e prova disso foi que nos últimos 5 minutos jogamos com 3 e depois 2 jogadores de campo, marcando um golo e não sofrendo nenhum. Não foi possível, nos últimos 5 minutos, jogar de igual para igual pois mais uma vez fomos castigados com várias faltas e cartões azuis que nos prejudicaram e que não se justificaram. De qualquer forma a equipa de Leiria apresentou-se muito concentrada e mais fresca fisicamente, tendo merecido esta vitória. 


CA – Mudando um pouco de assunto como viste e que "prejuízos" pode vir a trazer para a modalidade e este tipo de eventos a desistência da AP Algarve?
FV – Infelizmente não foi a primeira vez que esta situação se passou. Penso que os mais prejudicados serão sempre os atletas da respectiva zona, mas também acredito que os responsáveis pela modalidade nessa região terão os seus motivos para tal decisão. Competia à Federação fazer todos os possíveis para que todas as Associações estejam presentes, mas como não conheço os motivos prefiro não errar no comentário.
CA – Sei que durante a preparação para o Inter-Regiões nomeadamente nos Torneios que o antecederam e nos treinos de preparação utilizaste vários jogadores, para depois fazeres a escolha final. Existiam jogadores de 1º ano nesse lote, e como pode ser encarado o futuro a nível de Selecção Distrital?
FV – Esta selecção tinha 4 jogadores de 1º ano, 2 GR e 2 jogadores de campo. Existem vários jogadores nos nossos clubes que dão garantias de qualidade na selecção do próximo ano, assim eles queiram participar na selecção e a Associação lhes proporcione as melhores condições possíveis para eles puderem dar o seu contributo à selecção.
CA – Como classificas o trabalho que está a ser feito nos Clubes no que diz respeito aos escalões de formação e até que ponto a criação dos Torneios Regionais, veio contribuir para uma maior competitividade e qualidade dos atletas Ribatejanos?
FV – Os clubes têm feito um trabalho muito positivo, a formação hoje em dia já é tratada de outra forma, os clubes já se aperceberam que para garantirem o futuro é necessário fazer formação de qualidade. Há muitos anos atrás, ainda do tempo em que jogava, que se falou em criar os Torneios Regionais, mas por este ou aquele motivo nunca se chegou a um consenso entre Associações. Felizmente esse consenso chegou e todos os clubes e atletas vieram a beneficiar com isso. Penso que os resultados estão à vista, e neste momento as nossas equipas já vão batendo o pé às equipas de Associações mais fortes. Vieram criar uma competição de maior qualidade e um maior número de jogos, aumentando assim a qualidade dos nossos atletas e obrigou os clubes a realizar uma melhor formação para assim puder alcançar os vários nacionais.


CA – Por fim, Fernando fica o espaço à tua disposição para alguma informação que gostarias de deixar aos visitantes do Cartão Azul
FV – Apenas agradecer a todos que me acompanharam durante esta época desportiva, jogadores, directores, clubes, treinadores, equipa técnica etc. Desejar as maiores felicidades aos jogadores e clubes da minha Associação e esperar que o Hóquei em Patins seja novamente a segunda modalidade do país, com a ajuda de todos e com este tipo de iniciativas como tu nos tens trazido ao longo destes anos. Um grande abraço a todos.

Fotos: Sport Flash

8º TORNEIO INTERNACIONAL SANTARÉM



Benjamins

Escolares

Infantis

Iniciados e Juvenis

Informação/Fotos: Hóquei Clube Santarém

quarta-feira, 27 de Abril de 2011

3 REGIÕES INICIADOS - FINAL FOUR

A final-four do Torneio das 3 Regiões em Iniciados tem lugar no próximo Domingo dia 01 de Maio em Santa Cita e conta com a presença de SC Tomar e J. Ouriense (Série A), GR Vigor e Mocidade e FCO Hospital (Série B).
 

No entanto nesta prova sob a égide da AP Ribatejo e olhando para os resultados e classificações deste escalão publicadas no site oficial da APR, nota-se que por exemplo na série A os resultados não são actualizados desde 20 de Março de 2011, e nem existe classificação, ficando com a toda a legitimidade a pergunta de quem visita o site o porquê do apuramento das equipas da série A.


Se os visitantes continuarem a navegar na página dos resultados e classificações de todos os escalões, então podem constatar a gritante falta de informação.


Fica aqui mais um reparo para que a AP Ribatejo olhe para o Hóquei com a atennção que lhe é devida, e que mantenha actualizado o site, pois os visitantes gostam de saber o que se passa pelo Ribatejo no que concerne á modalidade, e depois de um fim de semana em que foi notória a ausência nos Torneios de Tomar e Santarém dos representantes da Associação, este facto, não deixa de vir dar razão a quem diz que o Hóquei é efectivamente o parente pobre da Associação de Patinagem do Ribatejo.

SC TOMAR vs HC MEALHADA - INFANTIS

Para terminar por hoje a divulgação do III Torneio Internacional de Tomar no que concerne às fotos da autoria de Barros Simões, ficam alguns momentos do jogo de Infantis entre o SC Tomar e o HC Mealhada, que terminou com a vitória por 5-0 dos Leões.



























Fotos: Barros Simões