segunda-feira, 14 de Maio de 2012

DA DESCONCENTRAÇÃO AO ACREDITAR NUM SEGUNDO

O Alfredo Bento Calado recebeu no sábado aquele que foi rotulado pelas Gentes Ribatejanas como o "Jogo da Época", mas que acabou por ser o "Jogo do Adiamento", ou seja, do adiar da manutenção na I Divisão para a equipa da Capital da Sopa da Pedra.


A jogar perante o seu publico, e com o apoio incondicional do mesmo, tendo como referência o apoio incansável dos "Ultras Almeirim", os Tigres a necessitar apenas de um ponto entraram melhor e aos 2' Diogo Lã inaugurava o marcador. A equipa da J. Viana que necessitava da vitória, não acusou o golo e cedo demonstrou que estava em Almeirim para discutir o resultado até ao apito final, e Daniel "Kika" Coelho faria o golo do empate à passagem do minuto 12. Já com João Beja em pista, o jovem jogador azul e branco no mesmo minuto (12) colocava de  novo os Tigres na frente para no minuto seguinte fazer o 3-1. Com 12' ainda para jogar a equipa de Nelson Lourenço acreditou nos dois golos de diferença e a equipa Minhota começou a ser a melhor em pista e a mais perigosa e a 2' do final da 1ª parte Diogo Fernandes reduzia para a margem mínima.

Intervalo: HC "Os Tigres" 3  -  J. Viana 2


A 2ª parte traz para rinque um jogo à imagem dos ultimos 12' quando os Tigres tinham 2 golos de vantagem, e a equipa da casa a deixar correr o tempo que corria a seu favor e os Minhotos na procura do unico resultado que interessava e seria o jovem Gustavo Lima aos 10' a empatar a partida a três bolas, para dois minutos volvidos João Beja fazer "hattrick" e colocar de novo a formação de Almeirim na frente do marcador. Foi apenas preciso esperar 2' para que Diogo Fernandes empatasse de novo a partida. A J. Viana chegava à 10ª falta a cerca de 5' do final, mas Diogo Lã chamado à conversão do respectivo livre directo foi incapaz de bater o guardião adversário, no seguimento da jogado o mesmo Diogo Lá é derrubado dentro da área, e Jaime Vieira não têm duvidas em assinalar a respectiva grande penalidade que Luís Querido não desperdiçou e com 4' para jogar coloca de novo a sua equipa na frente do marcador 5-4. Com os Tigres à beira da 10ª falta e apenas interessados em defender o resultado e deixar correr o cronometro, seria Rodrigo Sousa numa jogada a "papel químico" do 4º golo da sua equipa a empatar de novo a contenda. Os últimos 3 minutos foram impróprios para cardíacos com os adeptos dos Tigres a olharem para o cronómetro e a queixarem-se da sua lentidão no caminho para os 25' e os adeptos da J. Viana a olharem para o mesmo cronometro e a queixarem-se da velocidade com que o mesmo corria rumo ao final da partida. Com menos de 2' par jogar João Beja derruba um adversário no meio rinque vê cartão azul e Rodrigo Sousa é chamado à marcação do livre directo. Silêncio absoluto no Pavilhão, respiração sustida, Rodrigo Sousa arranca com a bola e André Azevedo nega os intentos, desviando a bola para o poste, a J. Viana jogava agora em power-play e os Tigres defendiam como podiam, tentando segurar a bola o máximo que podiam e numa bola ganha na tabela de fundo, o jogador dos Tigres setica a bola para a tabela final contrária, o cronometro corria, 5, 4, os jogadores dos Tigres iam abrindo o sorriso e começando a festejar a permanência, 3, 2, os adeptos e a claque dos Ultras rejubilavam, e Kika que tinha ido à sua tabela de fundo recuperar a bola acreditava e perto da sua área, 1, setica e a bola vai de "costa a costa" anichar-se no fundo da baliza do incrédulo André Azevedo, sob o olhar igualmente incrédulo dos seus jogadores e de todos os que estavam no Pavilhão. É golo da J. Viana, de nada vale os protestos dos jogadores da casa, Diogo Lã vê azul e apenas com dois jogadores de campo os Tigres dão o toque de saída e a dupla de arbitragem dá por terminada a partida, com a vitória da equipa Minhota que assim mantêm o sonho da manutenção bem vivo, e a equipa dos Tigres a ver fugir entre os dedos no ultimo segundo a garantia da manutenção do escalão máximo do Hóquei em Patins Nacional.

Final: HC "Os Tigres" 5  -  J. Viana 6

Sinal mais para Diogo Fernandes pelo que jogou e fez jogar e para Kika que no seu crer e o acreditar até ao final acabou por fazer o golo da vitória quando já ninguém acreditava. Para João Beja pela seu hattrick, mas que não foi suficiente para atingir o objectivo. Para o muito publico presente, incansável no apoio às suas equipas

Sinal menos para a desconcentração da equipa dos Tigres nos últimos segundos, a partir do momento em que a bola foi "despachada" para a tabela de fundo adversária.

Crónica: José João PC
Fotos de arquivo: João Pedro Vaz e AJ Viana

Sem comentários: